domingo, 28 de dezembro de 2008

JESUS FOI ME BUSCAR NO CANDOMBLÉ

Mamãe e Margarida
Margarida veio de Salvador acompanhar minha mãe na sua enfermidade, o que tem feito com muita dedicação e amor. Ontem, vinte e dois de dezembro, nós compartilhávamos das bênçãos de Deus sobre as nossas vidas, quando lhe perguntei como se havia dado a sua conversão. E ela passou a narrar um dos mais belos testemunhos que já ouvi.
“Eu era espírita umbandista, incorporava guias caboclos que ‘receitavam’ chás, banhos de ervas e trabalhos em encruzilhada, para ‘supostas’ limpezas de corpo. Era uma pessoa muito irritada, xingava muito, me desentendia facilmente com minha família, vivia em constantes brigas. Em fim, não tinha paz.
Um dia eu estava sentada numa mesa, em concentração, aguardando a manifestação de um orixá, quando a dona do centro me avisou que havia um senhor me chamando e que ao ser convidado a entrar pela dona do centro, contestou-lhe que não poderia porque aquele lugar não lhe pertencia. Fui então atendê-lo e, ao aproximar-me do portão, vi um senhor de estatura mediana, branco, cabelos semelhantes à prata. À medida que fui me aproximando, Ele me estendeu os braços e gesticulando suavemente com as mãos me chamava, enquanto andava para trás até desaparecer. Voltei para a mesa, senti a sensação de que algo ruim havia saído de dentro de mim. Não consegui mais me concentrar nem sentir prazer ali. Foi então que comecei aos poucos a deixar de freqüentar o centro.
Logo depois daquela experiência, eu fiquei grávida da minha filha caçula. Dias antes do parto, eu estava preparada para fazer uma cesária, com o objetivo de ligar as trompas. No entanto, um dia antes eu sonhei que eu estava na sala de cirurgia e ouvia o médico dizer que ou me salvava ou salvava a criança. E acrescentou: o risco maior será para a mãe, ela vai morrer, mas a criança vai se salvar. Eu olhava então para o vidro que nos separava da sala contígua e via meu marido que me estendia às mãos, mas eu não podia alcançá-la. Ao despertar, contei o sonho para ele e decidimos que meu parto seria normal. E, naturalmente, sem necessitar extirpar as trompas, não engravidei mais. Após três meses do parto, contraí uma enfermidade, neste período eu tive o seguinte sonho: Eu via um clarão muito forte no meu quarto e escutei uma voz que dizia: levanta, clama a Mim, porque Eu Sou O Senhor teu Deus. Como eu não compreendesse o que estava acontecendo, a voz tornou a clamar dizendo: Eis que orarei por ti e farei de ti a minha serva!
Esta experiência trouxe-me a memória quando Jesus falou com Pedro: - Simão, Simão, eis que satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu “roguei” por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu quando te converteres, confirma teus irmãos. (Lucas 22:31.32). (Comentário meu).
Calou e depois falou novamente: ‘Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do onipotente descansará. ’ Despertando daquele sonho, senti que algo estranho havia me acontecido. Definitivamente eu não queria mais ir ao candomblé. Mas procurei uma igreja evangélica onde aceitei a Jesus como salvador e senhor da minha vida.”
Nos longos vinte e quatro anos em que recebeu Jesus, Margô, como carinhosamente a chamamos, vem tendo experiências extraordinárias com O Senhor. Deus a curou de uma cegueira inevitável segundo a medicina, o que levou uma junta médica, ladeada por alunos de medicina a reconhecer o milagre de Deus. Deus é do tamanho que nós cremos. Pasme! Esta não foi a primeira vez que ouvi e vi pessoas que passaram por uma cirurgia espiritual, não através de espíritos que o fazem em troca da alma do paciente, mas pelo poder de Deus. “Pelas Tuas chagas fomos sarados.” (Isaias 53:5).
Margô era uma pessoa constantemente rouca e perdia a voz quando tentava falar um pouco mais. Um dia, em viagem missionária, um diácono pediu-lhe para orar e, ao tentar, a voz não lhe saiu. Ela fez gesto para o irmão comunicando-lhe que não podia falar. Aquele diácono, tomado pelo Espírito Santo, declarou: “Na autoridade do Espírito Santo de Deus eu te ordeno que abra a boca e ore. Imediatamente, ela começou a glorificar a Deus em voz alta, neste momento, uma irmã visionou um anjo com uma paleta na mão que, à medida que ela abria a boca para louvar a Deus, ele passava aquela paleta como que limpando sua garganta. Confirmando a visão, ela começou a expelir uma secreção.
Passados seis meses deste incidente, ela sentiu dores fortes na garganta e procurou o naringologista que ao examiná-la lhe disse: “você já é operada das amídalas...” Ao que ela contestou: “-não doutor, eu nunca passei por cirurgia não”. Veio-lhe então à memória o ocorrido na viagem missionária e não teve dúvidas que ali O Senhor eliminara o órgão degenerado.
O mesmo Jesus do cego Bartimeu, da mulher com fluxo de sangue, dos leprosos, surdos, mudos, paralíticos, gadareno, da filha de Abraão que o diabo tinha prisioneira é o meu Jesus, o seu Jesus e é o Jesus da Margô. O que nos falta muitas vezes é Crer como diz nas Escrituras: E estes sinais seguirão aos que crerem: em Meu nome expulsarão os demônios; falaram novas línguas; pegarão em serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. (Lucas 16:17,18). A Ele toda honra e toda glória! Guiomar Barba.
Leia Mais




quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

VISÕES SOBRE O NATAL

Impressões da alma:
Minha visão do Natal é mais próxima à do Paulo. Sabemos que o Natal pregado pela sociedade está muito longe das “Boas Novas” e muito perto do paganismo. Mas quando chega essa época, aproveito para retribuir os emails e cartões fazendo as pessoas voltarem ao “trilho” do que realmente significa o Nascimento de Cristo, a Boa Nova, a Nova Aliança de Deus com o Homem. Acabo de fazer isto com um amigo meu de infância. Não quero destruir a visão dele de Natal, que certamente trará boas recordações de sua infância junto aos seus pais e todo aquele sentimento. Assim , mostro que o Natal é uma coisa muito mais linda, que trata de um amor incondicional por quem não merece, trata de resgate de alma, coisa que Deus consertou após a queda de Adão, trata de um Verdadeiro PRESENTE – A Vida Eterna em Cristo Jesus! - Coisa esta que não é falada nesse tempo de Natal.

Marcelo Negreiros um amigo que faz diferença. Obrigada por sua contribuição.

Qual o conteúdo da expressão “feliz natal”
escrita, falada, cantada, no pensamento popular? Uma musicazinha de época em uma de suas muitas letras, creio, contém nos seus versos frases sugestivas para nos ajudar a compreender a mente social no uso da expressão: - “muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender...”
Com certeza o “feliz natal” para a maioria das pessoas é aquele que procede do chamado “espírito do natal”, um ente, garoto propaganda, invocado pela mídia que mais que tudo tem o máximo interesse no dinheiro do bolso, pouco ou muito, desde que seja do maior número de pessoas possível, aquelas pessoas que se enchem do espírito sazonal do natal. No caso da saúde para dar e vender, é apenas um acessório útil. O oh...oh...oh ou rô...rô...rô, como queira, do espírito do natal, é sarcasmo mesmo. Com muita razão.
Mas vamos ao que interessa de fato. O natal é lindo!
Frágeis filhos e criaturas humanas de Deus tão suscetíveis às influências do que parece, mas não é.
Assim como a igreja cristã pós apostólica entrou pelo cristianismo universal de Constantino e desembocou no obscurantismo da igreja romana na idade média, rapidamente o povo dito cristão se afastou a largos passos da beleza essencial do natal atraído pelo brilho e pelas cores sugestivas do espírito do natal mais identificado com a mentira anglo-saxônica ou nórdica de Santo Claus.
Todavia o Natal é lindo, de uma beleza crescente até sua culminância na festa das bodas.
Não há sobre esta terra e neste universo, mensagem mais rica e alegre que a do natal.
“Hoje vos trago novas de grande alegria que será para todo o povo. É que hoje na cidade de Davi vos nasceu o Salvador que o Cristo, o Senhor”.. Lc .2.10-11.
Maior poder tem essa mensagem de alegrar o coração quando o pecador se coloca na posição do publicano que sem coragem de nem ao menos levantar os olhos ao céu batia no peito dizendo: ó Deus sê propício a mim pecador! Lc 18:13.
A propiciação prometida desde o Éden absolutamente necessária e desejada, finalmente se cumpriu fazendo explodir de júbilo a multidão dos seres angelicais e os pastores, instrumentos humanos, testemunhas de tão glorioso natal.
Sim, celebremos o natal, o de Cristo, revigorados em esperança pelo Espírito de Deus, desejando um feliz natal com consciência, como mensagem profética ao pecador e do auspicioso futuro aos que vivenciaram o seu próprio natal, gerados pelo Espírito e pela Palavra.
Pr. Jair Rocha. Meu irmão. Fico-lhe grata pela sua contribuição.
Que todos nós sejamos essencialmente próspeperos no espírito... Guiomar Barba.
Leia Mais




segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

É NATAL!

Natal sob o olhar do Rev. Reuel Feitosa...
“... E a Glória do Senhor os cercou de esplendor...” (Lucas 2.4)
Jamais houve noite tão bela. Mais intensa e clara que o brilho de todas as estrelas, mais refulgente que os feixes cósmicos de luzes descidos das alturas.
O brilho singular da “luz primordial” emanava uma vez mais, o próprio Deus, como princípio da Criação.
- Haja luz - Ele dissera - e houve luz! (Gênesis 1.3)Aquela noite irrompia da eternidade, abrindo espaço no tempo, revelando o Prometido de Deus.
Mais que uma pintura executada por um grande mestre, mais que a arte e gênio de um artista singular, Deus Pai tomava a iniciativa de engastar no mundo a sublime Pessoa de Jesus.
Regozijo no céu, espanto entre as miríades de Anjos, e Guerreiros dos Exércitos Celestiais. Regozijo e júbilo nas lágrimas dos santos homens e mulheres do passado, emoção contida no coração dos profetas e inexplicável sensação no peito de Abrão, Isaque e Jacó... Alegria de José, os brados de Sansão e os louvores de Davi!
Adão, extasiado, rememorou o Éden, recordando a voz e a força da Promessa (Gênesis 3.15).
Isaías deve ter escrito mais uma página de poesias. Jeremias chorava outra vez, enquanto os olhos de Miquéias brilhavam de novo à luz daquela Luz!
É isso mesmo que vejo por toda a parte, neste nosso mundo ansioso e amedrontado. Havendo tantas luzes à nossa volta, ainda falta a verdadeira Luz!
Mas há esperança para você, para mim e a humanidade .
-Estou aqui, papai. Este é o mais belo lugar que existe. Veja como está tão bonito! - Responde uma criança pobre, sentadinha por horas e horas no hall do nosso Templo, contemplando extasiada, aquele campo verde de papel, a árvore de Natal no meio, e as caixinhas coloridas com os nomes de tantas nações.
Apenas uma decoração de Natal... Imagine a beleza daquelas campinas, a esperança que trouxeram, a provisão de paz que proclamavam e a consolação salvadora para todos os povos!
Os anjos desceram com Jesus até a relva verde rebrilhante de Belém. Escoltaram o Senhor, o maior de todos os reis, até que à luz daquela estrela que apontava do céu, tocasse a singela manjedoura (Mateus 2.2).
Tenho visto por todo o mundo, do Norte ao Sul, do Oriente ao Ocidente - asiáticos, africanos, americanos, europeus, árabes e latino-americanos - por sobre toda a Terra o brilho dessa Luz resplandecente, convidando a todos à reflexão, à paz e ao retorno para Deus (João 1.5 e 9).
Na verdade, essa Luz nos chama às raízes de onde viemos, nos aponta para quem realmente somos, e o que nos espera um pouco adiante.
Os anjos cantam nas alturas...
A noite é bela, clara e santa.
É Natal!Pr.
Reuel Pereira Feitosa
Leia Mais




sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

NATAL 2008

Independente de sabermos o dia certo do nascimento de Jesus seria maravilhoso festejarmos este glorioso nascimento, mas com o espírito voltado realmente para O nosso Salvador.
Mas vejam o que fizeram com esta data... Não podemos negar as verdades que o Paulo grita desde Portugal. Com ele desejo a todos os nossos leitores "Um Feliz Natal!"
Enquanto a sociedade de consumo actual “manipular” a vontade dos cidadãos no que concerne à verdadeira origem do Natal, o Menino Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro, há pouco mais de 2000 anos. Uma sociedade de consumo que nos “obriga” a esquecer que nascemos num mundo cheio de costumes babilónicos, criados e “formatados, nessas coisas toda a nossa vida, fomos ensinados a aceitar certas inverdades como sendo santas e sagradas. De tal modo interiorizamos tais inverdades que nunca investigamos para ver de onde vieram - se vieram da Bíblia, ou da idolatria gentílica. Chego a ficar “chocado” perante a conduta dos que aceitam as regras “aberrantes” da sociedade de consumo e outras com o mesmo fim: o lucro. Embora não crente, importa lembrar as palavras de Deus aos seus fiéis ministros em Isaías 58:1 "Clama em alta voz, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão". Então eu anuncio aqui a transgressão do Seu povo: A verdadeira origem do Natal encontra-se na antiga Babilónia. Está ligado à apostasia organizada que mantém preso um mundo enganado por todos esses séculos. O Natal é a principal tradição do sistema corrupto denunciado inteiramente nas profecias e instruções bíblicas sobre o nome de Babilónia. Seu início e origem surgiram na antiga Babilónia de Ninrode! As suas raízes datam de épocas imediatamente posterior ao dilúvio! No Egipto sempre se acreditava que o filho de Isis (nome egípcio da "Rainha do Céu") nascera em 25 de Dezembro. O mundo pagão celebrava essa famosa data de nascimento, na maior parte do mundo conhecido de então, muitos séculos antes do nascimento de Cristo. O próprio Jesus, os apóstolos e a igreja nunca celebraram o nascimento de Cristo em nenhuma época, na Bíblia não há mandamento ou instrução alguma para celebrar, todavia somos ordenados a lembrar sim de sua morte e ressurreição que nos proporcionou a Vida (ICo. 11:24-26; Jo. 13:14-17). Portanto os antigos "Mistérios Caldeus" idólatras iniciados pela esposa de Ninrode, tem sido transmitido de geração em geração pelas religiões pagãs e continua sob novos nomes de aparência Cristã. Durante os séculos quarto e quinto, quando centenas de milhares de pagãos do mundo romano adoptavam o novo "cristianismo popular" levando consigo as antigas crenças e costumes pagãos, cobrindo-os sobre nomes cristãos, popularizou-se também a ideia da "virgem e o menino" (Maria após o nascimento de Jesus, manteve relações íntimas com seu marido segundo as escrituras - Mateus 1:24-25 - "E José, tendo despertado do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu sua mulher; e não a conheceu enquanto ela não deu à luz um filho; e pôs-lhe o nome de JESUS." Dizer que ela permaneceu virgem é um reflexo claro desta doutrina pagã especialmente durante a época do Natal. Os postais de Natal, as decorações e representações, do presépio, as músicas da noite de Natal, como seu tema "Noite Feliz", repetem ano após ano esse tema popular da "virgem e o menino". Aos que vivem da fé, forjada em ensinamentos que visam esconder a verdade, jamais compreenderão que a razão de existir das suas pretendas/compras/gastos de Natal, esta eivada de atropelos e imprecisões sobre o sagrado. Os outros…, os que não foram ainda manipulados pela sociedade de consumo e pela religião, aproveitam, certamente, a quadra natalícia para se recolherem nos seus pensamentos ainda assim não sejam “sugados” pela “festa”ou pela euforia dos crentes. A uns e a outros, desejo um bom Natal. Paulo
Leia Mais




terça-feira, 16 de dezembro de 2008

MAMÃE, UM EXEMPLO DE ADORAÇÃO

Uma amiga nossa pediu demissão do emprego e está às vésperas do término do seu aviso prévio, mas o novo emprego e moradia, que estavam “certos” para ela, agora já são uma incerteza. Ela esteve ontem a noite em nossa casa, entrou primeiro no quarto da minha mãe e depois veio falar comigo. Eu, então, lhe perguntei como estavam as coisas, ao que ela respondeu com entusiasmo: tudo bem! E acrescentou: depois de ver sua mãe em cima de uma cama na situação que está... Louvando a Deus e sorrindo, eu vou me lamentar, com duas pernas funcionando? Ela tem sido um exemplo para mim e não vou desanimar.
Realmente, quem entra no quarto da minha mãe pode ter uma visão de alguém que confia em Deus andando pelo vale da sombra da morte e O adora com um brilho raro no rosto envelhecido pelo tempo, mas renovado pela esperança no seu Salvador. Uma amiga de um dos meus irmãos que mora em Salvador veio para acompanhá-la e cuidar dela. Esta amiga pediu férias antecipadas para queimá-las como um incenso suave ao Senhor. Ela vem se desvelando nos cuidados por minha mãe com muito amor, da mesma forma como a mamãe fez por outros. Esta dedicação da Margarida faz-me lembrar a promessa: “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.” (Eclesiastes 11:1).
Foi assim a vida da minha mãe, de casa em casa, de hospital a hospital, ou em psiquiatria; aonde houvesse uma necessidade ela estaria presente para levar uma palavra de consolo, uma esperança e cuidados físicos ou materiais, mesmo na sua pobreza.

A nossa casa era sempre o refúgio dos mais necessitados, desempregados ou carentes de socorro para seus problemas emocionais. Nossas camas eram cedidas, nossa comida dividida, nossa privacidade extinguida. Mesmo quando meu pai chegava já na hora do almoço trazendo duas ou três pessoas e gritando da porta: “Safira, põe água no feijão que eu trouxe mais gente!”, ela o recebia com um sorriso alegre e corria a saudar as pessoas, dando-lhes as boas vindas.

Lembro-me por algumas vezes que ela trouxe de psiquiatrias pessoas que ela sabia não estarem com problema mental, mas sim espiritual, e nós testemunhamos da libertação do Senhor para com estas vidas. Durante algum tempo uma delas ajudou mamãe nestes mesmos serviços.

Tivemos em casa também uma criançinha cujos pais perderam todos os seus bens e estavam vivenciando um momento angustiante, de pobreza absoluta, com todos os filhinhos pequenos ainda. E aquela criança, estava no chão, cheia de feridas, sentada em cima das pernas e os pais a tinham como deficiente. Mamãe tomou aquela criança com permissão dos seus pais, levou-a para nossa casa. Quando ela fazia cocô, todos nós corríamos para longe, um terrível mau cheiro impregnava toda a casa. Mas minha mãe a amava e tinha um estômago muito forte... Levou-a também para o hospital, onde aprendeu como fazer fisioterapia naquela criança, resultando em uma pronta restauração. Mas logo que seus pais recobraram algo para sustento, ela foi devolvida com muita dor para todos nós, porque havíamos nos apegado a ela. Meu pai foi quem mais externou seus sentimentos de tristeza.

Lembro-me também da alegria com que meus pais junto com nós, seus filhos, atendiam uma multidão de pessoas a porta da nossa própria casa, para fazermos doações de mantimentos e roupas vindas dos Estados Unidos. Aprendemos com nossos pais desde cedo a servir, a dar, a renunciar, a nos desprendermos de nós mesmos em prol do nosso próximo.

Sabemos, no entanto, que toda esta capacidade de servir tem que estar principiada no contexto histórico do bom samaritano. Além do amor, entendemos que tudo que fizermos devemos fazer como para O Senhor, implicando assim em adoração pelo privilégio de sermos nomeados para servir ao Todo Poderoso.
“O que fizerdes a um destes Meus pequeninos irmãos, a Mim o fizestes.” (Mateus 25:40). “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus.” (1ª Coríntios 10:31).

“ Só Deus é digno de todo louvor de toda adoração.” Guiomar.
Leia Mais




sábado, 13 de dezembro de 2008

POSSO TUDO! FICAR DOENTE, POBRE, SOFRER, OU SER RICO

Quando o apóstolo Paulo declarou que podia todas as coisas naqEle que o fortalecia, ele não excluiu absolutamente nenhuma adversidade ou calmaria, antes ele afirmou que estava apto para ser abatido, ter abundância, passar fome ou qualquer necessidade sem que a fé dele fosse abalada, porque as suas convicções espirituais não foram enraizadas no que é temporário e terreno, e sim em Cristo, o consumador da fé.
Paulo nos chama a atenção para a nossa fragilidade humana, comparando o nosso corpo a um “vaso de barro”, embora guarde este vaso um tesouro precioso que é o conhecimento da glória de Deus. Sendo natural, portanto, que, como seres humanos vivendo em um mundo caótico, cujo príncipe é satanás, sejamos cheios de problemas, mas com saídas; tenhamos preocupações, mas sem desespero; sejamos perseguidos, mas não abandonados; sejamos derrubados, mas não destruídos, porque trazemos no nosso corpo a morte de Cristo para que a Sua vida se mostre em nós.
Temos uma esperança concreta de que enquanto este corpo exterior vai se corrompendo, o interior, contudo, vai renovando-se dia a dia. Acrescentando-se que “A nossa leve e momentânea tribulação produz “para nós” um peso eterno de glória mui excelente.” (2ª Coríntios 4).
Alguém diria: “leve e momentânea?” Sim! Tendo em conta a eternidade de gozo, onde não haverá dor, nem pranto. “E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, (tudo é luz, transparência) porque O Senhor Deus os alumia; e reinarão para todo o sempre.” (Apocalipse 22:5).
Precisamos olhar mais para cima. Lembrar do túmulo vazio que aponta para O Cristo vitorioso, triunfante, que venceu a morte e o inferno, despojou principados e potestades, expondo-os ao ridículo e está a destra do nosso Pai e intercede por nós. E é O nosso advogado por excelência, que não perde nenhuma causa.
Não nos deixemos abater por palavras sem sabedoria, cobranças, imposições, espiritualidade fanatizada de pessoas que são de uma ignorância bíblica lamentável, gritante.
Não há quem não sofra nesta vida, quem ore e não fique esperando até mesmo quarenta anos, ao modelo de Abraão e de tantos outros que chegaram a desejar a morte nas suas longas esperas.
Não podemos por uma máscara de “Tudo está maravilhoso”, por pensarmos que isto é andar com Deus. Andar com Deus é ser amoldado, lapidado, curtido, acrisolado, para chegarmos à estatura de varão perfeito e isto dói, e como machuca... Mas à medida que nos submetemos, confiamos, louvamos e vivenciamos Cristo... Maravilhosa graça! Como a vida começa a criar mais cores, como o céu parece ampliar para um vôo as alturas... Como os dissabores desta vida fugaz se tornam tão insignificantes diante da visão do além terra.
Deus não falha, Ele é fiel! Guiomar Barba.
Leia Mais




terça-feira, 9 de dezembro de 2008

FESTAS SÓ PARA TODAS AS "SANTAS" CRIATURAS

Muitas vezes fico pensando na ingratidão desmedida da humanidade para com Deus.

Quantas vezes vejo, com dor, faixas homenageando as senhoras de Fátima, Aparecida, Dores, ou senhores Antônio, Jerônimo, Pedro, Jorge, outras vezes a iemanjá, oxalás, oguns e uma infinidade de criaturas que a humanidade na sua crendice popular elegeu para serem “santos” e “abençoá-la” em lugar do Todo Poderoso.

Quantas procissões, quantas viagens turbulentas, perigosas, desgastantes, dispendiosas, fazem os romeiros para agradecer a supostos santos por suas “bênçãos.” Muitos vão até às lágrimas abundantes, emoções fanatizadas, adorando a criatura em vez do criador.

Nasci há uns bons anos atrás, nunca vi ou soube que em algum lugar do mundo se reunisse uma multidão ou um punhado de gente com uma data fixa anual para celebrar a Deus pela Sua grandeza, criação, amor tão incomensurável a ponto de entregar Seu único filho para morrer de morte tão humilhante e cruel por nós.

Existem sim festas, shows, comemorações de datas, congressos e diferentes eventos evangélicos. Mas mesmo os evangélicos jamais se reuniram em algum lugar, que eu tenha conhecimento, com o objetivo único e definido de festejar, celebrar, apenas Ao Grande Deus criador do universo.

Recebi o convite acima postado de adeptos do candomblé e da umbanda: meu coração se anuviou. Estão nos convidando para a maior festa em homenagem ao espírito “ogum.” Ainda que a festa não seja exatamente para homenageá-lo, mas sim um protesto contra o preconceito, intolerância e racismo, mas é um clamor pela liberdade absoluta de festejarem, invocarem e cultuarem a criaturas e jamais Ao Criador que é bendito para todo sempre.

“Louvai Ao Senhor. Louvai ao Senhor desde os céus, louvai-O nas alturas. Louvai-O todos os Seus anjos: louvai-O, todos os Seus exércitos. Louvai-O, o sol e lua: louvai-O, todas as estrelas luzentes. Louvai-O, céus dos céus, e as águas que estão sobre os céus: Louvem o nome do Senhor, pois mandou, e logo foram criados.” “Louvem O nome do Senhor, pois só o Seu nome é exaltado; a Sua glória está sobre a terra e o céu.” “Louvai Ao Senhor. Cantai ao Senhor um cântico novo, e o Seu louvor na congregação dos santos.” “Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus...” (Salmos 148-149).

Com certeza se o apóstolo S. Pedro e tantas outras criaturas pudessem comunicar com os seus adoradores, lhes diria: Por favor, sou apenas um homem... (Atos 10:25, 26). E até mesmo um anjo que viesse do céu, ao se prostrar alguém diante dele, ele lhe diria como protestou a João na Ilha de Patmos.

“E eu lançei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus: adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.” (Apocalipse 19:10).

Não terás outros deuses diante de Mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás: porque Eu, O Senhor teu Deus, sou Deus zeloso... (Êxodo 20: 1-5). Celebremos pois, Ao Grande Deus, criador do universo, Todo Poderoso, que não carece de ajuda para executar qual seja o milagre que queira fazer ou Colmar-nos de bênçãos diversas. A Ele toda glória, toda honra! Guiomar Barba.
Leia Mais




sábado, 6 de dezembro de 2008

JESUS EM CLIMA DE AVIVAMENTO

Em clima de avivamento você desencosta Jesus e O coloca acima das tradições, da sua cultura, da sua igreja, dos seus títulos, de seu academicismo, de seus mestres, de seus heróis e gurus.
Em clima de avivamento, você enxerga e deixa Jesus no fundamento, no alicerce, na primeira pedra, na pedra angular, sobre a qual se apóiam os profetas e os apóstolos, sobre a qual você também se apóia.
Em clima de avivamento, você caminha com Jesus até a cruz e morre com Ele; você sai da cruz e ressuscita com ele; você ouve a voz de Jesus e O segue; você se liga e permanece ligado a Ele tão naturalmente como o ramo de uma videira.
Em clima de avivamento, a cortina começa a se levantar, e Jesus aparece bem nítido e bem próximo diante de seus olhos. Você é capaz de enxergá-LO no princípio mais remoto quando Ele estava com Deus e era Deus, quando todas as coisas foram feitas por intermédio dEle.
Em clima de avivamento e com a cortina levantada, você contempla tanto a humanidade de Jesus quanto a Sua divindade. Diante de seus olhos, Jesus é ao mesmo tempo Filho do homem e Filho de Deus, verdadeiro homem e verdadeiro Deus.
Em clima de avivamento, você é capaz de enxergar Jesus assentado e exaltado à destra do Pai, colocando debaixo de Seus pés todos os poderes demoníacos, todas as forças hostis, entre os quais o maior de todos é a morte.
Em clima de avivamento, você se coloca em torno de Jesus Cristo, na certeza de que Ele é o centro de tudo, nos céus, na terra e debaixo da terra. A vontade dEle passa a prevalecer sobre a sua. Você se nega a si mesmo por causa dEle, quantas vezes forem necessárias. Você tem entusiasmo por Jesus e não consegue ficar calado nem com as mãos abanando diante da carência do ser humano e da graça que há em Jesus Cristo. Essa revolução acontece em clima de avivamento porque é o Espírito da verdade que dá testemunho a respeito da pessoa e obra de Jesus Cristo. (João 15:26). Revista Ultimato.
Fazendo voz com esta abençoada revista, eu diria: Em clima de avivamento, a gente percebe com uma nitidez inconfundível Jesus dirigindo a nossa vida e determinando todos os nossos passos. A gente sente um gozo intenso permeando todo nosso ser de tal maneira que somos dominados por uma gratidão tão profunda que nos conduz ao desejo de obedecê-Lo inteiramente. Guiomar Barba.
Leia Mais




terça-feira, 2 de dezembro de 2008

VIVENDO EM AGONIA POR EMOÇÕES MANIPULADAS

Estou com a perna engessada, minha mãe quebrou o fêmur aos quase noventa anos de idade e ainda não foi decidido dia da sua operação após sete dias de espera. As dores são grandes, mas ela as enfrenta com serenidade e coragem. Minha empregada está faltando sem explicação por dias seguidos. Meu marido está em Angola a trabalho. Meu filho mais velho passa o dia na universidade e na Empresa Júnior de Administração da UFS, impossibilitado de me ajudar... Ficam pendentes alguns assuntos bancários e outros. Meu filho mais novo quer desfrutar suas férias mal começadas e está precisando urgente de um tratamento médico para um problema que lhe incomoda muito. A casa está revirada, roupa suja de hospital, roupa para passar ferro, a pia cheia de pratos, comida para fazer, a geladeira e o banheiro necessitando de um trato, telefone e celular tocando todo tempo e a falta de alguns alimentos básicos me dizem que preciso ir ao supermercado; pessoas me pedem ajuda para solucionarem seus problemas ou pela internet ou vindo a minha casa e nosso blog me diz que as mensagens estão atrasadas e que nossos leitores estão voltando sem levar nada novo... Mas o meu pé exige repouso absoluto pela delicadeza da fratura.
Obviamente é um quadro bastante estressante. As minhas emoções são manipuladas pela impotência de realizar todas estas tarefas. Alguém, brincando, já me sugeriu mudar o anjo da guarda, a mais nova e idiota heresia...
Mas,
Alguém por certo me diria: tome um banho de ervas para limpeza espiritual. Outro diria: deve ser pecado em sua vida...
Mas o sábio ponderaria:
Você fraturou o pé porque subiu em uma escada que não estava devidamente aberta, foi imprudente. Portanto, grande parte destes transtornos é resultante da sua inconseqüência...
Sua mãe quebrar o fêmur era previsível, porque ela gostava de tomar banho de madrugada e saia toda molhada, além de haver feito xixi no quarto por haver tirado a fralda... Ela tem incontinência urinária. A operação é de risco, tem que haver exames constantes. Ela é diabética, apesar de a diabete estar controlada e ela ser uma pessoa muito forte.
O problema de a empregada faltar sem explicar não é novidade neste Brasil, muita classe de mão de obra no nosso país sempre deixou muito a desejar. Ela chegou nesta hora de transtorno, mas apesar do salário relativamente gratificante, ela sumiu, e até o momento, não deu notícias. Outra virá, e quem sabe? Poderá ficar mais tempo ou não. O mais importante agora é que a acompanhante da sua mãe é super responsável e faz tudo com muito amor.
Finalmente tu tens também aquela amiga da hora, que chega depois do trabalho dela na tua casa, sorrindo e dá uma geral no teu Ap. Deixa tudo limpinho e ainda diz que foi meia sola. Tem teu filho que apesar da adolescência e da “internet”, às vezes faz quase todo o almoço, compra o pão e leite a tarde depois de malhar e ainda te da uns abraços e beijos bem calorosos. Sem contar que foi bem sucedido no ano letivo na Escola, nada de provas recuperacionais. Sortuda mesmo! Depois chega teu filho da faculdade te cobre de beijos e abraços e conta as últimas melhores novidades. E o maridão, está presente todos os dias, pela internet ou telefone te dizendo: “te amo mulher da minha vida”!
Poderia eu negar que a benção do Senhor está sobre mim? A Ele a minha eterna gratidão. Ao meu amigo por excelência.

Muitos cristãos, infelizmente, em momentos angustiantes, chegam as raias das superstições, ou por falta de conhecimento da palavra ou por religiosidade. Superstição tem sua origem no latim – superstitio –traduzido como fanatismo, medo vão, falso, religião enganosa, presságio infundado. Apesar da tecnologia e ciência estarem progredindo a largos passos, o homem, mais do que nunca, tem buscado o transcendental para responder as ânsias do seu espírito. Como sendo essa demanda de formas diversas e carências variadas, tem caído em engodos espirituais da maldade.
“Eu Sou a luz do mundo; quem Me segue não andará em trevas; terá a luz da vida.” (João 8:12).
Muitos procuram respostas espirituais que se alinhem com a ciência. Outros vivem na insegurança do que há de vir e se desesperam por saber antecipadamente sobre o seu futuro e jogam com suas almas a qualquer preço, seja através de forças ocultas, de gurus ou ensinamentos falsos das Escrituras sagradas. Aqueles, porém, que fizeram do Senhor a sua esperança e confiam nEle com todo seu coração, entregando a Ele o seu caminho, podem dizer como o salmista Davi, apesar de algumas teimosas inquietações:
“ Fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo.” Após esta declaração, ele aconselha ao povo de Israel, esperar no Senhor. (Salmo 131:2,3).
Termino agora de descobrir para você, querido leitor, meu coração. Estou aqui, na internet, batendo papo com meu maridão, que está com excesso de trabalho, mas se descontraindo com as minhas molequices. Minha perna já não está engessada, estou voltando aos passos... Rsrsrs. Meu filho menor o Daniel, está passando o fim de semana na casa de um tio, foi feliz da vida para um evento por lá. Quando ele voltar, já estou pronta para levá-lo ao otorrino. Meu filho mais velho, o Renato, já conseguiu tempo para resolver o que estava pendente e está ensaiando com a sua banda para tocar em uma inauguração de uma igreja evangélica. Da empregada, eu tive notícias, não está disposta a continuar trabalhando... Já separei as roupas para máquina e já estão prontas para serem usadas. Outras coisas continuam na pendência, como o caso da minha mãe, até agora não decidiram operá-la, mas ela está impressionando a muitos com a sua paz e alegria. O meu objetivo, no entanto, é lembrar o que todos nós talvez tenhamos conhecimento: nada é para sempre, além de que todo transtorno tem um fim proveitoso.
“Sabemos que todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Romanos 8:28).
Não nos deixemos, portanto, dominar pelo emocionalismo, ou seja, pela manipulação das nossas emoções. Busquemos equilíbrio em meio às tempestades, nunca esquecendo que Jesus estará sempre conosco no nosso barco. Outras lutas virão, eu sei, mas elas sempre me deixarão mais forte, porque sempre as venço tirando proveito delas. Confiando no Senhor dos senhores.
video
Leia Mais




quinta-feira, 27 de novembro de 2008

OS IRMÃOS DE SANTA CATARINA PRECISAM DE AJUDA

EMERGÊNCIA!
As Igrejas Brasileiras: comuniquem-se com Santa Catarina Atualização em 27.11.2008 18:19h - 99 mortos. (Números de mortos dia 26, informação na Globo com
http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL880309-5598,00.html.
As informações seguintes e fotos foram extraídas da UBE (União de blogueiros Evangélicos). http://www.blogueirosevangelicos.blogspot.com/ Sempre atentos para servir e informar.
DEFESA CIVIL
"A Defesa Civil alerta internautas, que ela não envia emails com números de contas para receber doações em favor dos atingidos pela chuva em Santa Catarina. Muitos tnternautas estão recebendo mensagens eletrônicas com números de várias contas em diferentes bancos. De acordo com a Defesa Civil, os e-mails devem ser ignorados, pois foram enviados por possíveis golpistas.
Quem quiser fazer doações diretamente ao órgão deve fazer o depósito na conta 80.000-7, da agência 3582-3 do Banco do Brasil; no Besc, conta 80.000-0 da agência 068-0; ou na conta 160.000-1, da agência 0348-4 do Bradesco.O nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ - 04.426.883/0001-57.

Município de Timbó - quatro mortos de uma mesma família
Ponte entre Itajaí e Navegantes

Blumenal

Joinvile

Blumenau

O homem na sua avareza e cobiça está destruido sem piedade o mundo, no entanto, Deus se torna para muitos o "responsável" por toda esta calamidade que atinge a todos nós que lutamos pela preservação da criação. O coração de Deus está profundamente triste...

Guiomar Barba.

Leia Mais




segunda-feira, 24 de novembro de 2008

EXERCER MISERICÓRDIA COM EXCELÊNCIA

Muitas e muitas vezes fui testemunha de pessoas que ajudavam outras, mas deixando transparecer perfeitamente uma cobrança por aquilo que faziam, mesmo com o agravante de estar fazendo sem carinho, sem excelência, quando elas deveriam antes interpretar como uma obrigação cristã os seus serviços. Esta atitude se distancia largamente dos ensinamentos e exemplos de Jesus e Seus discípulos. Entendo que a admoestação a seguir se aplica a todas as formas do servir. “O que fizerdes a um destes meus pequeninos é a Mim que me fazes.” (Mateus 25:40).
Se quisermos realmente fazer o que nos propomos a realizar para O Senhor, teremos que seguir a risca o ensinamento de Jesus:
Tu, porém ao dares uma esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita; para que tua esmola fique em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” (Mateus 6:3, 4).
Creio que ao determinar esta ética na ação, Jesus estava pensando nos constrangimentos peculiares às pessoas que dependem da ajuda de outro, e em evitar possível soberba que poderia arruinar a misericórdia ou auxílio de quem os exercesse em prol de alguém.
Deus nos deu sempre o melhor de Si. Enviou-nos Seu único Filho amado para morrer por nós e, quando Seu Unigênito regressou ao céu, Ele nos enviou O Espírito Santo para estar conosco em todas as nossas carências. E como se não bastasse, Ele ainda nos abençoou com todas as sortes de bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo Jesus. (Efésios 1:3).
E toda esta variada abundância de bênçãos que recebemos generosamente do nosso Pai celestial, nos deixa um exemplar ensino para que possamos não somente repartir o que recebemos dEle, mas também que venhamos a nos doar com a mesma motivação que abunda nEle ao fazer tudo por nós: O AMOR.
Com gozo e gratidão a Deus, exibo aqui este documento que muito glorifica Ao nosso Deus... E me alegro muito mais por haver sido motivado pelo testemunho de alguém particularmente familiar. Trata-se de uma das minhas cunhadas, casada com meu irmão, Pr. Jair Vieira da Rocha, ambos na direção da Igreja do Evangelho Pleno, situada no bairro do Espinheiro, em Recife. A Dra. Graça é um exemplo de garra e determinação não só na demanda pelos seus projetos, mas também na excelência de como realiza o seu trabalho e tudo aquilo a que ela se propõe efetuar. Oxalá muitos profissionais cristãos sejam assim honrados. Foi publicada no Diário Oficial d Pernambuco. A quem honra, honra... Guiomar Barba.
Leia Mais




quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Genocídio e Revisionismo: Não Em Nosso Nome!

PETIÇÃO ATUAL http://www.deolhonamidia.org.br/Peticoes/mostraPeticao.asp?atual=true
"O presidente do Irã, o ultraconservador Mahmoud Ahmadinejad, disse que o Holocausto é um mito e voltou a sugerir que se transfira o Estado de Israel à Europa ou aos EUA, já que, nas palavras dele, são os ocidentais que devem pagar o preço" (Fonte: Portal Terra, texto, "Presidente do Irã Diz que Holocausto É Mito", 14/12/2005) .
"O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, em cerimônia referente ao Dia Internacional de Lembrança das Vítimas do Holocausto, no Rio, que a memória do holocausto não deve ser apagada. Lula ressaltou que o episódio deve ser passado aos mais jovens como um exemplo de intolerância e desrespeito aos direitos humanos.
"Participo deste encontro pelo terceiro ano consecutivo, pois acho fundamental rememorar o aparato de terror empreendido pelos nazistas. Lembranças tristes e trágicas como o holocausto não devem ser apagadas e, sim, transmitidas a outras gerações", disse o presidente, durante a abertura da exposição fotográfica "Holocausto Nunca Mais", organizada pelo Museu Judaico do Rio, no Palácio Itamaraty, no centro da capital fluminense" (Fonte: UOL, texto: "Lula diz que Holocausto deve ser lembrado como exemplo de intolerância", 25/01/08) .
Estamos em um momento delicado. E histórico. Recentemente o chanceler brasileiro, Celso Amorim esteve em Teerã para ampliar os laços entre Irã e Brasil, e aproveitando a estadia, convidou o presidente Mahmoud Ahmadinejad a visitar o Brasil.
É fato que o Brasil tem interesses econômicos em relação a esta nação. Mas será que vale tudo por dinheiro? Vende-se príncipios? Como ficam estas palavras do presidente Lula diante do revisionismo de Ahmadinejad, de suas conferências de negação ao Holocausto, concurso de charges minimizando o mesmo e até exposição de fotos sobre o assunto? Quero crer que não sejam palavras ao ar. E bom sempre lembrar: revisionismo do Holocausto e apologia ao nazismo são crimes inafiançáveis no Brasil. Como ficamos?Mas quem dera os crimes cometidos pelo governo iraniano se limitassem a isso. Pois diariamente do seu púlpito, o presidente deste país faz ameaças a Israel. Ameaças de GENOCÍDIO. Não foi uma, nem duas, nem dez vezes. Vejamos:
No domingo, 3 de junho de 2007, em uma cerimônia comemorando o 18º. aniversário da morte do Ayatolá Khomeini, ele declarou: “A contagem regressiva para a destruição do regime sionista começou nas mãos das crianças do Hizbullah”. E acrescentou: “Se D-us quiser, em um futuro próximo nós testemunharemos a destruição desse regime, graças às realizações de todos os combatentes palestinos e libaneses”.
Ou então no dia dois de junho de 2008, conforme noticia a Folha Online: "O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta segunda-feira que Israel irá "desaparecer em breve" e que o "poder satânico dos EUA" será destruído, em discurso em homenagem ao 19º aniversário de morte do líder revolucionário iraniano, aiatolá Ruhollah Khomeini, segundo informações da agência oficial Irna".
E o presidente iraniano não perde tempo. Mesmo com sanções internacionais (apesar de ineficazes até agora, elas existem) ele corre atrás do tempo, enriquecendo urânio, em busca da arma nuclear, para poder dispará-la contra Israel. Prova deste fato foi a notícia divulgada durante esta semana pela Agência EFE (12/11) de que o Irã testou novos mísseis de longo alcance capazes de atingir Israel:"
O Irã realizou hoje testes com um novo míssil terra-terra de longo alcance desenvolvido e fabricado por especialistas das Forças Armadas iranianas, informaram hoje fontes oficiais.O novo míssil Sejil tem um alcance de cerca de 2 mil quilômetros, usa combustível sólido combinado e conta com uma "alta velocidade de lançamento", disse o ministro da Defesa iraniano, general Mostafa Mohammad Najjar, informaram agências de notícias locais e a televisão iraniana".
Mais além: sabidamente o eixo Irã-Síria, é o grande financiador e apoiador dos grupos terroristas Hamas e Hizbullah que são fonte de boa parte dos conflitos na região. Se o Brasil aspira mesmo a contribuir para a paz na região, e a um assento no conselho de segurança na ONU deveria repudiar tais atos e não legitimá-los.
O Irã também é acusado formalmente pela Argentina pelo atentado à AMIA – Associação Mutual Israelita Argentina, e à Embaixada de Israel que deixou centenas de mortos e feridos.
Uma das primeiras vozes corajosas a se manifestar contra tal estado de coisas foi do deputado Federal Marcelo Itagiba (PMDB/RJ), que entre outras coisas lembrou a participação do chanceler Oswaldo Aranha, dando seu parecer e voto favorável a partilha na Assembléia da ONU em 1947, ajudando a viabilizar e criar o moderno Estado de Israel, coisa que Ahmadinejad - este que foi visitado pelo atual chanceler, Celso Amorim e será recebido de tapete vermelho em Brasília - quer destruir.
Quase inacreditavelmente - pelo menos do nosso ponto de vista - o Ministro Interino das Relações Exteriores, Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, respondeu da seguinte maneira:
"Nós não prejulgamos os regimes políticos de outros países. Assim como queremos não que o nosso regime seja julgado. Não nos interessa saber se é um regime parlamentar, presidencial; mais ou menos democrático. Nas Relações Internacionais nós respeitamos um princípio da Constituição, que fala da autodeterminação dos povos. Então, nós o respeitamos. Podemos até ter opiniões diferentes, e não interferimos. Achamos extremamente perigoso para a estabilidade internacional quando países não seguem esse princípio, de forma mais correta".
Em outras palavras, pouco importa se um país é ditatorial ou não, se oprime sua população ou não, se viola os direitos humanos ou não. Mantemos relações comerciais com ele e vamos seguir mantendo. E não seria perigoso para a estabilidade internacional as declarações exterminacionistas diárias do Irã? Suas conferências de negação ao Holocausto? Seu apoio declarado a grupos terroristas?
Justamente a autodeterminação do povo judeu em sua terra ancestral, que o Brasil apoiou é aquela que o Irã quer agora subverter! Não interferir, significa ser omisso e cúmplice! Receber e abraçar, significa ser parceiro e legitimar!
Você caro leitor concorda com isso?
Esta petição tem como objetivo dar voz aos leitores que como nós, cidadãos brasileiros, democraticamente se vêem no direito de discordar desta política. De não concordar em compactuar, mesmo que de forma indireta para legitimar um regime autoritário, apoiador do terrorismo, do negacionismo do Holocausto, que prega abertamente o genocídio de um outro povo e que oprime suas minorias.
Este abaixo assinado será enviado ao Itamaraty como protesto a recente visita do chanceler Celso Amorim a Teerã e pedindo que o Brasil reveja sua posição em receber Ahmadinejad.
Vale também o questionamento: Porque o Brasil reserva tanta honra para nações totalitárias e apoiadoras do terrorismo como Síria e Irã e não faz questão alguma de ter laços maiores, de honrar com uma visita, de estreitar relações com Israel, talvez o país com quem tenha mais intercâmbio cultural e econômico na região?
Em todos os dois mandatos, sequer uma vez o presidente Lula foi a Israel, ou seu chanceler Celso Amorim. O mais bizarro é saber que Amorim passou por Israel para chegar a um encontro com a Autoridade Palestina em Ramallah, mas não fez agenda com Jerusalém. Porque?
Apenas complementando, vai a seguir uns poucos exemplos de repressão a imprensa e as minorias no Irã, sejam mulheres, homossexuais, religiosas:
Mulheres:
O Irã ratificou a Convenção Internacional dos Direitos Civis e Políticos, que exige a não discriminação por sexo, e a constituição iraniana inclui a proteção às mulheres. Entretanto, a discriminação contra as mulheres persiste na lei e na prática, como por exemplo, quando o governo força a segregação por sexo na maior parte dos locais públicos. Teerã também consente com a violência rotineira contra as mulheres. Os chamados “crimes de honra” – o assassinato de mulheres por supostas ofensas sexuais e matrimoniais, geralmente por seus próprios parentes, alegando que a “ofensa” trouxe “desonra” à família – são maneiras freqüentes de castigo público para as mulheres iranianas.
“Os crimes de honra”, acontecem sob várias formas, incluindo queimar a vítima e o apedrejamento. Em um período de dois meses em 2003, apenas como exemplo, 45 mulheres jovens foram assassinadas desta forma, na província iraniana de Khuzestan. O governo iraniano condenou algumas pessoas por esses crimes, mas geralmente com penas de prisão muito curtas.
As autoridades iranianas marcaram o Dia Internacional das Mulheres atacando centenas de pessoas que haviam se reunido pacificamente para honrar os direitos das mulheres. (Joe Stork, Diretor Geral para o Oriente Médio do “Human Rights Watch”, Março de 2006).
Religiões: Bahai
Membros da fé bahai – uma religião baseada em paz e igualdade, originária da Pérsia no século XIX – tem sido o alvo principal. Os bahais são considerados “infiéis desprotegidos” pelo governo. Eles têm enfrentado aprisionamento, execução, confisco de propriedades, e à eles é negado o acesso à educação, emprego, direitos e liberdades civis. Milhares de bahais foram presos e mais de 200 foram executados pelo governo islâmico na década de 80.
Em maio de 2006, no que foi a maior prisão em massa em décadas, oficiais de segurança iranianos prenderam 54 bahais, alguns apenas adolescentes e outros com idade aproximada de 20 e poucos anos, que estavam trabalhando em um projeto de serviço comunitário. Não foram feitas acusações, e a maior parte dos presos foi libertada em seis dias.
Cristãos:
Os cristãos iranianos, em um número aproximado de 79.000 pessoas, incluem os persas e não persas. Enquanto os cristãos evangélicos são os mais duramente tratados, os cristãos de todas as denominações sofrem discriminações, como evidenciado pelo banimento de livrarias cristãs e impressão de literatura cristã.
Os cristãos evangélicos, que são proibidos de evangelizar, são sistematicamente oprimidos pelas autoridades iranianas das seguintes maneiras:- Monitoramento de perto de todas as atividades evangélicas- Fechamento de Igrejas evangélicas pelo estado- Prisão de convertidos cristãos- Exigência de porte de um cartão de membresia de Igreja evangélica- Restrição aos cultos evangélicos apenas para os domingos.
Os muçulmanos que se convertem ao cristianismo também sofrem severas conseqüencias. A sentença imposta por “apostasia”, ou conversão ao cristianismo pode ser a morte. Em maio de 2006, Ali Kaboli, um “apóstata”, foi preso depois de muitos anos sendo vigiado pela polícia. Ele foi ameaçado de execução se não deixasse o país, foi interrogado e mantido sem comunicação sem nenhuma acusação formal contra ele.
Perseguição aos Homossexuais:
A lei iraniana diz que toda atividade homossexual masculina com penetração será punida com a morte, e a atividade que não involva penetração será punida com chibatadas até a quarta vez, depois disso a pena será a morte. A atividade homossexual feminina será punida com chibatadas até a quarta vez, depois disso também a pena aplicada será a morte.
De acordo com um iraniano exilado do “Homan”, grupo defensor dos direitos dos homossexuais, o estado executou pelo menos 4.000 homossexuais desde 1979.
Recentemente, as autoridades iranianas continuaram esta prática. Em julho de 2005, dois rapazes adolescentes, Mahmoud Asgari e Ayaz Marhoni, foram executados, supostamente por estuprarem um garoto de treze anos, acusação essa que um grupo de direitos dos homossexuais do Reino Unido, argumenta que foi usado como desculpa para puní-los por sua orientação sexual.
A execução de dois homens por atividade sexual consensual é um ultraje. A perseguição aos homossexuais pelo governo iraniano insulta os padrões dos Direitos Humanos internacionais. (Declaração do “Human Rights Watch”, pela execução desses dois rapazes homossexuais, novembro de 2005)Abusos do Governo:
Desde sua eleição em novembro de 2005, o Presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, não apenas tem permitido que a violação aos direitos humanos continue, como também tem indicado para compor seu ministério, pessoas que notoriamente violam esses direitos, como os atuais Ministros do Interior e da Informação.
O atual Ministro do Interior Mostafa Pour-Mohammadi, supostamente ordenou, quando ocupava posições governamentais anteriormente, a execução de prisioneiros políticos e assassinatos de escritores dissidentes e intelectuais. De acordo com um relatório do “Human Rights Watch” (Observador dos Direitos Humanos), Pour- Mohammadi representou o Ministério da Inteligência, em um comitê em 1988, que ordenou que milhares de prisioneiros políticos (incluindo membros armados da oposição), fossem executados na Prisão de Evin, em Teerã, e como Vice-Ministro da Informação em 1998, ordenou o assassinato de vários escritores e intelectuais dissidentes.
Como um dos oficiais supostamente responsáveis pela ordem de assassinato em massa de prisioneiros políticos em 1988, Mostafa Pour-Mohammadi é suspeito de participação ativa em crimes contra a humanidade. “Ministros de Assassinatos”, Relatório do “Human Rights Watch”- 2005
Já vimos esta história antes não? E já vimos o que a omissão pode fazer.
Você vai concordar com isso? Em seu nome? Vai assinar embaixo? Então se não concorda, se como cidadão brasileiro você não quer ver seu nome envolvido nesta história, assine aqui e envie seu protesto ao Itamaraty:
Não em nosso nome!!! Assinaturas: 557 [Assinar] [Ver assinantes]

Enviado pelo nosso amigo Marcelo Negreiros que está sempre bem inforado...

Leia Mais




segunda-feira, 17 de novembro de 2008

NOÇÕES DE DIREITO PENAL PARA MINISTROS


Extraido do http://prdavidson.blogspot.com/ Postamos esta matéria crendo que temos como obrigação, conhecer as leis que devem reger nossa conduta, embora na esperança que a Bíblia, nossa regra de fé e prática, fale tão profundamente aos nossos corações, que não careçamos de sermos julgados por juizes seculares. Guiomar Barba.

Pr. Davidson G. Vieira
Livro I
DOS CRIMES CONTRA A HONRA
Calúnia Difamação
Injúria
Explicação
Em que pese o fato da Igreja ter Pastores, Evangelistas, Presbíteros, Diáconos e Cooperadores mestres e doutores na órbita Jurídica, não ignoramos o fato de que a grande maioria dos nossos Obreiros é leiga quanto às noções notadamente de Direito Constitucional, Administrativo, Civil, Penal e do Trabalho. No entanto, sabemos que tais noções, quiçá não imprescindíveis, são de expressivo enriquecimento de seus Ministérios.
Entendemos de suma importância, que o Obreiro conheça as garantias constitucionais quanto à liberdade de locomoção; a profissão do credo religioso; a manifestação do pensamento, da prática do culto e de sua inviolabilidade, como também importa deter algumas noções do direito privado ( Código Civil ) já que suas ovelhas vez outras se encontram envolvidas em questões desta ordem.
Todavia, no concernente às noções de “Direito Penal”, pelo menos quanto ao capítulo “Dos Crimes Contra a Honra” , entendemos ser conhecimento que o obreiro deva dominar, vez que um de seus grandes desafios é o ensino da moderação da língua maldizente, cuja ação sempre se ajusta aos crimes de calúnia, difamação ou injúria. É certo que à luz do tipo penal o crime de difamação nos parece ser uma prática constante em nosso meio.
Quanto às noções de “Direto do Trabalho” impõe-se, data vênia, hodiernamente ministrá-las aos Obreiros. É imensa a quantidade daqueles que almejam a independência econômica- financeira às custas do sacerdócio. Muitos, quando não a alcança (sem que se afirme ser o sacerdócio uma das maneiras de se enriquecer) , vingam “os anos perdidos” (porque não cresceram para canto algum) com fantásticas ações cíveis e trabalhistas no vislumbre de tirar do Ministério (Igreja) vultosas fortunas que não foram capazes de granjear com planejamento e esforços próprios.
Foi pensando assim que com a autorização do nosso pastor presidente Jose Wellington Bezerra da Costa, resolvemos dar uma pequena e singela contribuição aos nossos Ministros leigos em Direito, lançando “livretos” que compartilhem “Noções de Direito, distribuídas nas searas Constitucional, Administrativo, Civil incluindo Direito de Família, Penal e do Trabalho, com vistas a informar, sem pretensão de qualquer mestria.
Pr. Davidson G. Vieira
CONFRADESP Nº 3.149
CGADB Nº 21.676
Introdução
Lamentavelmente, não é raro constatarmos no seio da Igreja, irmãos que incorrem nos crimes de calúnia, difamação e injúria, sendo certo que estes dois últimos são de uma freqüência assustadora. Parece a tais infratores, que a honra do próximo não tem importância alguma para ele e tampouco para os outros, não obstante saberem que as Sagradas Escrituras reprovam as condutas caluniosa, difamante e injuriosa.
O impressionante é que alguns pastores, quiçá por desconhecerem a tipificação de tais crimes, fazem deles um único pacote considerando condutas tão distintas como um simples ato de “fofocas”, sem dar a mínima importância à questão que é de relevância espiritual e social. Ora, sendo o Brasil um “Estado Laico” (que não prega nenhuma religião, sendo esta de livre escolha de seu cidadão) prescreveu no Código Penal as condutas que tipificam os crimes de calúnia, difamação e injúria.
Desejoso de dar uma pequena contribuição aos nossos Obreiros que dia a dia lidam com tais ocorrências resolvi elaborar essa humilde e acanhada obra com noções de direito penal concernente aos crimes contra a honra, esperando seja conhecimento que se torne útil nos aconselhamentos e na própria instrução do Ministro do Evangelho.
"De toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado." Mateus 12:26,27
Pr. Davidson G. Vieira
A HONRA
A Honra na concepção comum é o conjunto de atributos morais, intelectuais e físicos de uma pessoa, porém esse conceito é muito singelo consoante à importância do atributo honra para o ser humano.
Consoante preleciona Ivan Carlos de Lorenci, honra é o profundo sentimento de grandeza, de glória, de virtude e de probidade que cada um faz de si próprio, portanto a questão é sensivelmente subjetiva, haja vista, que cada ser humano tem embutido em seu subconsciente a valoração de seus atributos personalíssimos.
Assim, a ofensa a qualquer de seus atributos pessoais se caracteriza como fato típico e antijurídico, desta forma, requer punição ao ofensor por parte do Estado, que tem obrigação precípua de tutelar a individualidade de cada pessoa.
Dessa forma há que se caracterizar a honra em objetiva e subjetiva. Objetiva porque diz respeito ao conceito que os outros fazem de alguém, portanto quem ataca a honra objetiva de outra pessoa, também estará criando uma situação em que poderá acarretar uma mudança de conceito da sociedade em relação à pessoa ofendida, visto que lhe imputando fato seja ele falso ou ofensivo a sua reputação, estará conseqüentemente dificultando seu convívio social.
Quanto à honra subjetiva, podemos equacionar na forma do sentimento e no juízo que cada um faz de si mesmo, e é dividida em honra-dignidade que diz respeito às qualidades morais da pessoa e honra-decoro que preza pelas qualidades intelectuais e físicas.
Justamente por ser tão importante para cada pessoa é que a honra tem capítulo especial no Código Penal Pátrio, que caracteriza os crimes contra a honra em Calúnia, Difamação e injúria.
O Capítulo V do Título I da Parte Especial do Código Penal Brasileiro trata “Dos Crimes Contra a Honra”. O conceito de honra, abrange aspectos objetivos e subjetivos. Aspectos objetivos representam aqueles que terceiros pensam a respeito do sujeito (sua reputação de Pastor, de chefe de família, etc.). Aspectos subjetivos representam o juízo que o sujeito faz de si mesmo (seu amor-próprio).
Na definição de Victor Eduardo Gonçalves a honra “é o conjunto de atributos morais, físicos e intelectuais de uma pessoa, que a tornam merecedora de apreço no convívio social e que promovem a sua auto-estima" .
Em tal capítulo verificamos a presença de três modalidades de crimes que violam a honra, seja ela objetiva ou subjetiva: a Calúnia (art. 138), a Difamação (art. 139) e a Injúria ( art. 140 ).
C A L Ú N I A :
A calúnia consiste em atribuir, falsamente , a alguém a responsabilidade pela prática de um fato determinado definido como crime . Assim, se “A” dizer que “B” roubou a moto de “C”, sendo inverídica tal imputação , constitui crime de calúnia .
Todavia, se realmente “B” roubou a moto de “C” o crime de calúnia não existe , pois o fato é atípico.
D I F A M A Ç Ã O:
A difamação, por sua vez , consiste em atribuir a alguém fato determinado ofensivo à sua reputação. Assim, se “A” diz que “B” foi trabalhar embriagado semana passada, constitui crime de difamação.
Pouco importa, se tal fato é verdadeiro ou não, afinal, o legislador quis deixar claro que as pessoas não devem fazer comentários com outros acerca de fatos desabonadores de que tenham conhecimento sobre essa ou aquela pessoa . A difamação se consuma, quando um terceiro toma conhecimento do fato.
I N J Ú R I A:
A injúria , de outro lado, consiste em atribuir a alguém qualidade negativa, que ofenda sua dignidade ou decoro . Assim, se “A” chama “B” de ladrão , imbecil etc., constitui crime de injúria. No crime de injúria não se imputa fato, mas qualidade negativa, que ofende a dignidade ou o decoro de alguém (honra subjetiva).
Assim, se “A” diz que “B” é ladrão, estando ambos sozinhos dentro de uma sala, não há necessidade de que alguém tenha escutado e conseqüentemente tomado conhecimento do fato para se constituir crime de injúria. A injúria se consuma com o simples conhecimento da vítima.
A calúnia e a difamação (por atingirem a honra objetiva de alguém , por meio da imputação de um fato) se consuma quando terceiros tomam conhecimento de tal imputação. Estes delitos permitem a retratação total , até a sentença de 1a Instância , do querelado (como a lei se refere apenas a querelado , a retratação somente gera efeitos nos crimes de calúnia e difamação que se apurem mediante queixa , assim , quando a ação for pública , como no caso de ofensa contra funcionário público , a retração não gera efeito algum).
Temos, em comum, entre as três modalidades de crime contra a honra os seguintes fatos:
a) – a possibilidade de pedido de explicações , ou seja , quando a vítima ficar na dúvida acerca de ter sido ou não ofendida ou sobre qual o real significado do que contra ela foi dito, ela poderá fazer requerimento ao juiz, que mandará notificar o autor da imputação a ser esclarecida e, com ou sem resposta, o juiz entregará os autos ao requerente, de maneira que se, após isso a vítima ingressa com queixa , o juiz analisará se recebe ou rejeita, levando em conta as explicações dada
b) – o fato de regra geral a ação penal ser privada, salvo no caso de ofensa ser feita contra a honra do Presidente da República ou chefe de governo estrangeiro , em que será pública condicionada à requisição do Ministro da Justiça; no caso de ofensa à funcionário público, sendo tal ofensa referente ao exercício de suas funções, em que será pública condicionada à representação do ofendido e no caso de na injúria real resultar lesão corporal, em que será pública incondicionada .
Jurisprudência Pátria:
“a calúnia pede dolo específico e exige três requisitos: imputação de um fato + qualificado como crime + falsidade da imputação” (RT 483/371).
“na difamação há afirmativa de fato determinado, na injúria há palavras vagas e imprecisas” RT 498/316).
O que diz a Bíblia sobre a calunia, injúria e difamação:
O Apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo, falou-lhe que nos últimos tempos surgiriam homens de alta malignidade e, entre as características deles está a de serem caluniadores: "...caluniadores.." (II Tm 3:3). O Apóstolo Paulo escrevendo também a Tito, recomendou-lhe que ensinasse às mulheres idosas a não serem caluniadoras:
"Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, 'não caluniadoras'..." (Tt 2:3).
A Bíblia condena a difamação. No Salmo 15:3 não difamar aparece como uma das características do homem justo: "Quem, Senhor habitará no teu tabernáculo? Quem há de morar no teu santo monte? O que vive com integridade e pratica a justiça, e, de coração, fala a verdade; 'o que não difama com sua língua'...";
em Provérbios 10:18 encontra-se: "... o que difama é insensato"; em Provérbios 16:28 se lê: "... e o difamador separa os maiores amigos"; e Tiago, no capítulo 4 e versículo 11, de sua Epístola, exorta: "Irmãos, não faleis mal uns dos outros...". Irmãos e amigos, que dizer dos cristãos, ou dos chamados "cristãos", que tem prazer em fazer mexericos... fuxicos... futricos... em levantar dúvidas sobre o caráter e as intenções dos seus semelhantes?
A Bíblia condena a injúria. Ninguém tem o direito de ofender a dignidade dos outros. Jesus disse que se alguém chamasse seu irmão de "racá": termo aramaico "reka", indigno, aplicado em sinal de desprezo, seria réu de sinédrio e se chamasse o seu irmão de "louco" seria réu do fogo do inferno: "Mas eu lhes digo que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento.
Também, qualquer que disser a seu irmão: 'Racá', será levado ao tribunal. E qualquer que disser: 'louco', corre o risco de ir para o fogo do inferno." (Mateus 5:22). E o Apóstolo Pedro, na sua primeira epístola, capítulo 3 e versículos 8 a 12, aconselhando os cristãos a terem todos um mesmo sentimento, exorta a não responderem às injúrias com outras injúrias: "Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes, não pagando mal por mal, ou 'injúria por injúria'; antes pelo contrário, 'bendizendo', pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de receberdes bênção por herança.
Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes, refreie a sua língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente; aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la. “Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males.
"EXEMPLOS PRÁTICOS:
Calúnia: O “irmão fulano de tal” disse que “o pastor tal” roubou o dinheiro da “Igreja” , todavia, sendo sua afirmação improcedente, comete o crime de calúnia.
Difamação: A “irmã fulana de tal” diz que “o irmão fulano de tal” foi visto embriagado semana passada. Ao espalhar tal notícia, comete o crime de difamação, pouco importando se tal fato é verdadeiro ou não.
Injúria: O “irmão fulano de tal” ao chamar o “pastor fulano de tal” de ladrão , imbecil, ignorante etc. , comete o crime de injúria. (nesse crime não se imputa fato , mas qualidade negativa , que ofende a dignidade ou o decoro de alguém (honra subjetiva).
Ponderação Finais:
No concernente à calúnia e difamação, observa-se que por se tratar de notícia de “suposto comportamento” que compromete a honra do membro e da própria Igreja, sobretudo se o respectivo membro ocupa cargo ou função eclesiástica, entendemos que o Ministro pode e deve diligenciar no sentido de apurar a “noticia” desabonadora do fiel.
Todavia, deve agir com as cautelas de seu manus sacerdotal (ética, prudência e inviolabilidade de informação, inclusive da fonte de onde originou) e não olvidar que sua ovelha tem a proteção legal e Divina, de sua “honra objetiva e subjetiva”.
O púlpito não é o lugar para cuidar de procedimentos investigativos e muito menos para lançar desabafos contra fieis que incorreram nesse ou naquele erro. Oportuno lembrar que até mesmo ensinando devemos tomar as cautelas para não fazer citações que possam constituir-se em difamação ou injúria, não nos esquecendo que alguns gestos de desprezo ou galhofa também podem consubstanciar-se em injúria.
Nestas breves considerações, deve-se fixar algumas lições práticas:
1. Não se deve ferir a honra de uma pessoa, seja ela objetiva ou subjetiva.
2. Não se deve propagar fato tipificado como crime a alguém, sendo este fato sabidamente falso.
3. Não se deve propagar fato que possa causar prejuízo a reputação de alguém.
4. Não se deve desrespeitar quem quer que seja com ofensas às suas qualidades e aos seus sentimentos.
As pessoas se caracterizam por suas atitudes e manifestações, desta forma há que se respeitar a individualidade de cada um, seus defeitos e suas qualidades. A incolumidade física e moral deve ser protegida de toda e qualquer ofensa, a honra desta forma, tem que ser respeitada por ser atributo moral de caráter personalíssimo, e o Estado como garantidor da ordem e da justiça tem o dever de tutelar quem se sentir atingido em sua honra, evitando que crimes como calúnia, difamação e injúria agridam a valoração moral de cada indivíduo.
Pr. Davidson G. Vieira
Código Penal____________________________(
Decreto Lei nº 2.848, de 1940 ).
Parte Especial
Título I
Capítulo V
Legislação:
Parte EspecialTítulo IDos Crimes Contra a Pessoa
Capítulo V
CalúniaArt. 138 -
Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:Pena - detenção, de seis (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.
§ 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.
§ 2º - É punível a calúnia contra os mortos.
§ 3º - Admite-se a prova da verdade, salvo:
I - se, constituindo o fato imputado crime de ação privada, o ofendido não foi condenado por sentença irrecorrível;
II - se o fato é imputado a qualquer das pessoas indicadas no nº I do Art. 141;I
II - se do crime imputado, embora de ação pública, o ofendido foi absolvido por sentença irrecorrível.
DifamaçãoArt. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
Parágrafo único - A exceção da verdade somente se admite se o ofendido é funcionário público e a ofensa é relativa ao exercício de suas funções.


Art.
140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.§ 1º - O juiz pode deixar de aplicar a pena:
I - quando o ofendido, de forma reprovável, provocou diretamente a injúria;
II - no caso de retorsão imediata, que consista em outra injúria.§ 2º - Se a injúria consiste em violência ou vias de fato, que, por sua natureza ou pelo meio empregado, se considerem aviltantes:
Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa, além da pena correspondente à violência.
§ 3º - Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. (Alterado pela L-010.741-2003)
Pena - reclusão de um a três anos e multa. (Alterado pela L-009.459-1997)
Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes é cometido:
I - contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo estrangeiro;
II - contra funcionário público, em razão de suas funções;
III - na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria.
IV – contra pessoa maior de 60 (sessenta) anos ou portadora de deficiência, exceto no caso de injúria. (Acrescentado pela L-010.741-2003)
Parágrafo único
- Se o crime é cometido mediante paga ou promessa de recompensa, aplica-se a pena em dobro.
Art. 142 - Não constituem injúria ou difamação punível:
I - a ofensa irrogada em juízo, na discussão da causa, pela parte ou por seu procurador;
II - a opinião desfavorável da crítica literária, artística ou científica, salvo quando inequívoca a intenção de injuriar ou difamar;
III - o conceito desfavorável emitido por funcionário público, em apreciação ou informação que preste no cumprimento de dever do ofício.
Parágrafo único - Nos casos dos ns. I e III, responde pela injúria ou pela difamação quem lhe dá publicidade.
Art. 143 - O querelado que, antes da sentença, se retrata cabalmente da calúnia ou da difamação, fica isento de pena.Art.
144 - Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação ou injúria, quem se julga ofendido pode pedir explicações em juízo. Aquele que se recusa a dá-las ou, a critério do juiz, não as dá satisfatórias, responde pela ofensa.
Art. 145 - Nos crimes previstos neste Capítulo somente se procede mediante queixa, salvo quando, no caso do Art. 140, § 2º, da violência resulta lesão corporal.
Parágrafo único - Procede-se mediante requisição do Ministro da Justiça, no caso do nº I do Art. 141, e mediante representação do ofendido, no caso do n.º II do mesmo artigo.
Esta postagem é um teste, e em razão disso olvidou-se de informar as fontes que subsidiaram a matéria. Assim, nos comprometemos na re-edição com o fornecimento das fontes bibliográficas.
Pr. Davidson. BLOG DO PASTOR DAVIDSON
Leia Mais




Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML