sábado, 26 de abril de 2008

TENDO OU NÃO TENDO

TENDO OU NÃO TENDO

É impressionante como tantos de nós sabemos listar requisitos para a felicidade. Os orkuts, e-mails, sites, blogs, e em cada esquina encontramos um senhor do saber, que nos aponta o caminho para bem viver. No entanto, na prática, a memória nos surpreende: se vive exatamente o contrário daquilo que se prega com tanta paixão e certeza.
O que percebemos é que as pessoas estão impregnadas de uma mesma utopia: ser feliz é ter.
Ter uma situação financeira equilibrada.
Ter um trabalho sem inimigos a volta, sem aborrecimentos.
Ter um marido ou esposa que ame e se enquadre no seu perfil.
Filhos conformados com o que se impõe.
A grande família em harmonia, dentro do seu apelo.
Saúde quase que perfeita.
Corpo dentro dos padrões ditados pela mídia.
O carro da hora.
Lazer nos fins de semana com direito a restaurantes.
Ter férias anuais nos lugares que se almeja.
Ter, consumir, desejar e ter automaticamente.
Se a vida não desabrocha sorrindo assim, então, como crianças mimadas chorando pelo chocolate ou brinquedo que não está ao seu alcance, se leva os dias em plena agonia, fortalecida por uma queixa tediosa, amargurada, que é exatamente a vilã que mina todo entusiasmo pela vida, a maior dádiva que se pode possuir neste mundo em decadência.

“Fazei tudo sem murmurações nem contendas.” Filipenses 2:14.

A murmuração impede-nos o crescimento, o aprendizado, o fortalecimento,
as descobertas, e, acima de todas as coisas, de desfrutarmos da presença de Deus, onde há fartura de alegria.
A beleza da vida está nela, simplesmente nela; e na exuberância da criação, na unidade dos filhos de Deus, na eternidade do nosso espírito, desenvolve-se a magnitude da vida.
A vida é Deus em nós e nós nEle, e nesta fusão a vida se perpetua para além das fronteiras deste universo que morre lentamente.
Podemos ser felizes aqui, temos tudo, temos VIDA, embora não tenhamos tudo que é apenas provisorio. Pra. Guiomar Barba.



Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

4 comentários:

Dumuro disse...

See Please Here

Agnaldo Gomes disse...

Olá Guiomar,
Realmente vivemos em mundo onde o 'ter' é mais importante do que o "ser'.
As pessoas estão avaliando as outras por aquilo que é puramente exterior.
E isso infelizmente também tem acontecido dentro de muitas igrejas.
O padrão consumista tem invadido lares e destruidos famílias.
Que Deus nos ajude a lutar contra essas coisas.
Um abraço.

a casa da mariquinhas disse...

Olá, Guiomar
Venho especialmente para agradecer a visita que fez ao meu blogue, no dia 18. Já agradeci lá mesmo, como faço sempre.
Peço que me desculpe só o fazer hoje, mas estive fazendo alterações no meu blog (transpondo para este tudo o que tinha num outro) o que deu bastante trabalho.
Muito bonito, o seu último post.
Temos que preocupar-nos mais em "SER" (generosos, amigos, solidários) do que em "TER" (riqueza, conforto excessivo, demasiados bens materiais).
Por solidariedade coloquei hoje no meu blogue o post de um amigo.
Vá lá ver. Penso que vai gostar.
E recomende aos seua amigos.
De Portugal,
Beijos
Mariazita
«visite Mariazita, deixe um comentário e guarde nos favoritos».

Seminário disse...

Poderosas Palavras essas suas !! Que Deus possar usa-lo como um grande estrumento em suas mãos!!
Seminario Internacional Teologico de São Paulo

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML