domingo, 21 de setembro de 2008

"MERECIDAS HOMENAGENS"

Uma homenagem ao meu amigo Pr. Gilberto, que eu amo e sei porque amo. E ao meu filho Renato, que me dá todas as razões para ser uma mãe agradecida a Deus pelo presente que ele é. Eles fizeram aniversário dia vinte de setembro. Notaram? É PRIMAVERA...!
Para mim, ele tem aprendido a contar os seus dias de tal maneira que tem encontrado coração sábio.
Postado Pelo Pr. gilberto Mynssen ( Seu blog Palavra Viva e Verdadeira)
Sou sexagenário, pelo propósito do meu Pai. Olho para os dias que passaram e tenho recordações alegres e tristes. Visualizo momentos e circunstâncias; lágrimas e sorrisos; sonhos e esperanças; erros e acertos; dificuldades e oportunidades. Vejo as marcas que ficaram como forjadoras do meu caráter em cada momento vivido, seja na alegria ou no sofrimento, na vitória ou na aparente derrota. Recordo noites mal dormidas, dias em angústia, lágrimas vertidas. Aceitação e rejeição. Lembro-me de parentes e amigos que foram convocados à eternidade. Que falta fazem, principalmente quando a partida foi abrupta, inesperada. Saudades... Penso nos amigos que, por força dos caminhos da vida e da distância geográfica, possivelmente nunca mais verei. Tristeza... Vivendo, aprendi. Aprendi que a crítica, pela crítica, faz parte do caráter de alguns; que desconhecem a solidariedade e o agradecimento, a compreensão e a tolerância. Aprendi que as pessoas julgam excessiva e abusivamente, como se fossem senhoras da verdade; desconhecem a misericórdia. Aprendi que as pessoas que mais prezamos são as primeiras a julgar-nos e rejeitar-nos, decepcionando-nos. Aprendi que o ser humano é volúvel em seus relacionamentos a partir do momento em que os seus interesses não são aceitos. Aprendi a ser mais humano, pois descobri o valor da tolerância, da compreensão, da compaixão, do silêncio, da misericórdia, e, conseqüentemente, do colocar-me no lugar do meu próximo e ser-lhe acessível para que possa sentir-se amado e aceito como é, sem resquícios de rejeição. Aprendi a valorizar sentimentos e idéias, mesmo que não me identifique, aceitando as pessoas como são e valorizando-lhes o potencial que possuem. Aprendi a superar desapontamentos, ressentimentos, agressões e ofensas, mediante o perdão; por isso sou feliz. Aprendi que os aplausos são fugazes e que a glória humana é ilusão. Aprendi que o fracasso é a oportunidade para lutar pelo progresso. Reconheço que cometi erros, decepcionando pessoas. Se fosse hoje, com o conhecimento e a maturidade que possuo, as decisões teriam sido diferentes. Mas naquele momento era o melhor que podia ter feito, por isso não me arrependo. Vivendo e caminhando, sofrendo e chorando, rindo e me alegrando, na maioria das vezes em silêncio, aprendi... Que Deus, o meu Pai, nunca me deixou só, apesar de algumas vezes não ter consciência da Sua presença. Que Deus, o meu Salvador, sempre intercede por mim e cura as minhas feridas, livrando-me de sentir mágoa de quem quer que seja. Que Deus, o meu Consolador, enxuga as minhas lágrimas e me faz ver que o sol, a cada dia, nasce e a brilha. Que Deus coloca pessoas especiais, em momentos de adversidade, para exercitar a Sua bondade e proteção, em cumprimento de promessas que fez na Sua palavra. Ah! A família... Como tem sido bom tê-la como porto seguro, abrigo, refúgio; mesmo não sendo perfeito sou amado como irmão, esposo, pai e avô. Agora sei como é "abençoado o homem que teme ao Senhor", através dos filhos e dos netos. Graças dou, porque meus descendentes são comprometidos com o Reino de Deus, amam a Igreja e dedicam-se como pastores, os filhos, e como líderes na comunidade eclesial, as filhas. Agradeço ao Eterno pela esposa que, há trinta e seis anos, sabe como conviver comigo. Louvo ao Eterno pelos netos que estão sendo moldados à luz da Palavra eterna e imutável, para serem cidadãos do Reino nesta vida. Ah! A Igreja... Sinto saudades do pastorado, do ensino e pregação da Palavra; da conversa amiga e orientadora no gabinete pastoral; dos momentos de comunhão; da alegria dos crentes ao superar desafios apresentados. Isso não tem preço e supera todas as vicissitudes. Ah! As pessoas... Algumas não imaginam quanto às prezo e como gostaria de poder revê-las e abraçá-las. É o ônus imposto pela vida que conduz-nos para caminhos diferentes. Como faz falta... Ah! O futuro... Só o Eterno, meu Pai, o conhece. Três paradas cardíacas, duas cirurgias, e tantos outros procedimentos cardíacos marcaram uma fase do viver. Agradeço a Ele pelos recursos que disponibilizou e pelas pessoas que me abençoaram como instrumentos Seu. Estou à Sua disposição até ao dia em que o verei face a face. Dou graças por estar vivo e por poder fazer amigos. Dou graças porque aprendi o valor da sensatez, da modéstia, da dignidade, da esperança e da fé. Não lamento o passado e nem me preocupo com o que virá. Cada dia é para ser vivido como se fosse o último, com amor e intensidade, sendo o melhor da vida. Graças dou por minha vida que Jesus já transformou e também por meu futuro e por tudo o que passou; pelas bênçãos derramadas, pelo amor, pela aflição, pelas faltas perdoadas, grato sou de coração. Graças pelo azul celeste e por nuvens que há também: pelas rosas do caminho e os espinhos que elas têm. Pelas lutas desta vida, pela estrela que brilhou, pela prece respondida e a esperança que falhou. Graças dou a Jesus Cristo, que morreu em meu lugar, pela paz que é sem medida e me ajuda a caminhar. Graças dou por meus amigos e o consolo no chorar, pelo amparo nos perigos, sempre graças hei de dar. (Hinário Para o Culto Cristão, 419 – Graças Dou por Minha Vida). "Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios" (Salmos, capítulo 90: 12). Sola Gratia! Soli Deo Gloria! Pr. Gilberto Mynssen Ferreira - 20 de setembro de 2008. http://mynssenferreira.zip.net/



Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

Nenhum comentário:

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML