sábado, 24 de janeiro de 2009

O SEMEADOR SEMEIA. VOCÊ PARE DE CONVERSA FIADA!

Muitas vezes discordo plenamente do Caio, por não encontrar respaldo bíblico em muitas das suas afirmações. Esta postagem, no entanto, é uma verdade indiscutível sobre a determinação do homem na sua escolha em andar ou não com Deus. Guiomar. Os seres humanos são influenciados por tudo. Influenciados pelo que carregam geneticamente, pela herança cultural familiar e regional, pela força dos significados de sua própria geração, pelas tendências do mundo — de que tamanho seja o mundo da pessoa —; pelos afetos, pelos amigos, pelo companheiro [a], pelo trabalho, pelas suas fontes de informação, e, também, pelo mundo invisível. Diversas vezes nos Evangelhos Jesus adverte sobre essas fontes de influencia. Por exemplo: “Cuidado com fermento de Herodes e dos Fariseus!” “Acautelai-vos desta geração perversa!” “Vigiai, pois aqueles dias serão maus...” “Cuidado que as conseqüências da orgia, da dissolução, da embriaguez e das preocupações deste mundo não vos apanhem como um laço”. Na Parábola do Semeador Jesus diz que os agentes que podem matar a Palavra no coração são principalmente os seguintes: 1. O mundo espiritual: “Vem o diabo e arrebata a Palavra do coração...”; 2. O mundo interior: “...a terra era pouca, e o solo era pedregoso...”; 3. O mundo exterior: “... mas havia espinho, os quais sufocaram a semente”...; Ora, em todos os casos, não importando o agente do desanimo na alma, Jesus manda vigiar sem que se considere um perigo maior do que o outro. Assim, tanto faz quem faz o quê em nós! Sim! O diabo, o mundo interior e o mundo exterior, todos, são igualmente agentes da mesma desgraça em nós: roubar, matar ou sufocar a Palavra. O diabo pode roubar a Palavra. O mundo interior pode ser impermeável à Palavra, quando ela tenta descer sua profundidade em nossa vida. O mundo exterior sufoca a Palavra, não deixando que ela fique só em nós, tamanha é a concorrência dos espinhos exteriores do mundo. Jesus, no entanto, não trabalha com álibis. Desse modo, tanto faz, pois, o que interessa a Jesus é o resultado de vida ou morte, e não o agente da vida ou da morte. Assim, não há em Jesus o que não há na vida! Portanto, se faz mal, se tira a pessoa do caminho da Vida e da vereda da Palavra, para Jesus basta. Não há hierarquia de perigos ou de agentes de perigo. Se o resultado é que a Palavra não se instalou na pessoa, tanto faz se foi o diabo que roubou a Palavra, ou se foi a indisposição interior que a pedrou no ser, ou se foi o mundo, com seus espinhos, o poder que sufocou a Palavra no coração. Desse modo, se em Jesus não há acusações, também, Nele, não há desculpas. Sim! Pois, lá no fundo, tanto faz mesmo; e um dia ficaremos sabendo. E o que ficaremos sabendo? Ora, saberemos que o homem podia decidir muito mais do que ele quis decidir, e que, por isto, se de um lado ele pode ser vítima do diabo, das tendências interiores e do mundo; de outro lado, ele não terá desculpas a dar; pois, pelo que Jesus insinua, o dia rouba a semente, mas o homem tem que consentir; o mundo interior e seus caprichos influenciam as decisões do homem, mas ele tem que deixar que tal determinação se estabeleça nele; e o mundo exterior pode impor seu fluxo, mas o homem tem que se entregar a ele. Jesus trata tudo assim, pois, é assim que as coisas são. Portanto, não vemos Jesus fazendo psicologia de consolações vazias e que mantêm a pessoa no estado de acomodação. O diabo existe; o interior humano tem seu poder de manifestação à revelia; o mundo-sistema-exterior também carrega seu poder monstruoso — mas nenhum deles é legitimado por Jesus como sendo um poder invencível. O tempo presente é estranho... Hoje o que se vê é que se a semente não fica no coração, a culpa é do diabo; se o mundo interior se fechou para a Palavra, a culpa é dos humores e dos traumas psicológicos, do pai, da mãe, e da cultura do “coitado empedernido”; se os poderes da sedução do mundo chegam com seus encantos de morte e de alienação, então, a culpa é do sistema perverso. O homem, porém, é apenas um nada. Sim! É cada vez mais visto como uma vitima de tudo. Jesus, no entanto, jamais enganaria o homem com justificativas para que ele se mate e mate à sua volta. Não! Para Jesus o diabo existe, mas a culpa de não reter a Palavra é do homem. O coração é enganoso, mas a culpa de não acolher a Palavra é do homem. O mundo é mau, mas o mundo é produção do homem em associação com o diabo, sendo, portanto, responsabilidade de todo homem lidar com o mundo sem achar nele álibis para a morte. É com essa objetividade que Jesus trata as coisas mais decisivas desta existência. O homem sábio crê, vigia e pratica o que Jesus ensinou; e não busca molezas e nem desculpas, pois, o caminho de um homem não é como o caminho dos meninos adulados. Afinal, que direi se não guardo a Palavra? Que foi o diabo que a roubou de meu coração? Que a culpa é da minha constituição refratária ao amor? Que a responsabilidade de meu desvio da boa vereda é do mundo, que me seduziu? Eu sei que a responsabilidade é minha! Espero que você saiba que é sua também! Nele, que nos chama à vida e não às desculpa para que se não viva, Caio



Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!
Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML