domingo, 10 de outubro de 2010

DEUS CRIOU O MAL E O BEM

Fica a pergunta: O diabo criou alguma coisa?

“Eu formo a luz e crio as trevas, promovo a paz e crio a desgraça; Eu, o senhor faz todas estas coisas.” Isaias 45.7.

DEUS CRIOU LÚCIFER

É curioso que antes de se tornar satã, o diabo era chamado de lúcifer, sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura, tinha o entendimento sobre o bem e o mal e o direito de escolher o seu próprio caminho. Concluímos que Deus não criou seres manipuláveis ao seu bel prazer, mas ditou regras para os que escolhessem viver no seu país celestial, o que é natural e justo, que toda comunidade tenha sua disciplina.

Admiro-me quando escritores decidem afirmar que Deus não criou o mal e que as enfermidades pertencem ao diabo e que, assim sendo, todos os enfermos da terra foram feridos por satanás.

Vejamos o que afirma o escritor T. L. Osborn em seu livrete: “Fatos Sobre A Cura Divina”, embora deseje com todo coração que ele vivencie o que diz crer e que nunca venha buscar médicos ou fazer operações as ocultas, como já fizeram outros por vergonha, orgulho ou que sei eu... O Sr. Osborn me pareceu sincero na sua crença.
Para não sermos prolixos, citaremos apenas alguns textos do livrete.
“Jesus disse em Lucas 9.56: O filho do homem não veio para destruir almas [vidas] dos homens, mas para salvá-las. A doença destrói; portanto, ela não é de Deus...”
No texto ao qual o autor se refere, a resposta de Jesus aos discípulos foi exatamente porque eles se ofereceram para fazer descer fogo do céu e consumir os samaritanos que se negaram a recebê-los. Não se aplica, portanto, à saúde física, e sim contra a violência. Nem sempre a doença mata.
“Jesus disse em João 10.10: O ladrão {falando de satanás} não vem senão a roubar, matar e a destruir; Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.
Satanás é um assassino; suas doenças destroem vidas. Suas doenças são os ladrões de felicidade, saúde, dinheiro, tempo e esforços. Cristo veio para dar-nos vida abundante em nossa alma e em nosso corpo.”
Precisamos entender que uma vida abundante não é posse de quem tem saúde e dinheiro, mas sim daqueles que vivenciam o caminhar de Cristo. Encontramos Pedro cheio do Espírito Santo, dizendo ao coxo que assentava-se na porta formosa: “Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda!” (Atos. 3.6). Com esta referência não quero dizer que uma vida abundante necessariamente cura enfermos; João Batista não fez milagre algum, mas não houve profeta maior que ele, segundo testemunhou Jesus a respeito dele. (Mateus 11. 11).
João profetizando ao anjo da igreja em Esmirna diz: “Conheço a tua tribulação, a tua pobreza (mas tu és rico)[...]. Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida.” (Apocalipse 2.9a-10).
A doença, portanto, é de satanás. A saúde, consequentemente, é de Deus. (Osborn)
CAUSAS DE DOENÇAS:
Entendo que, assim como não podemos desafiar as leis da gravidade, como nem mesmo o próprio Jesus desafiou quando o diabo, citando astutamente a palavra, pede-lhe que se atire do pináculo do templo (Mateus 4.6). Não devemos desrespeitar os limites do nosso organismo com coisas como a gula, alimentações prejudiciais, excesso de trabalho, ansiedade, ódio, falta de perdão, negligenciando o sono, em fim, com quaisquer coisas que tragam prejuízo ao nosso corpo e mente, ou seremos nós os maiores inimigos de nós mesmos, não os demônios.
“Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão.” (Salmo 139.5).
Diz Osborn:
“Em 2 Crônicas 16, relata-se como Asa morreu de sua enfermidade, porque não buscou ao Senhor, mas, antes, aos médicos; enquanto em Isaias 38, Ezequias viveu porque buscou não aos médicos, mas ao Senhor.”
No entanto, uma análise rápida da história de Asa nos mostra que a enfermidade dele fugia à capacidade da medicina: “[...] a sua doença era em extremo grave” (2ª Crônicas 16:12aª. Ele carecia de um milagre, como no caso da mulher do fluxo de sangue, que havia gastado todo o seu dinheiro com médicos, mas sem proveito, antes, indo a pior. Não podemos afirmar, no entanto, que se Asa houvesse clamado a Deus, como o fez Ezequias, teria sido curado ou se isto é uma mera conclusão do escritor do Livro das Crônicas, já em que, em 1º Reis 15:23 e 24, é dito que Asa morreu por padecer de doença nos pés, já na sua velhice. O profeta Elizeu também foi acometido por uma enfermidade fatal (2º Reis 13:14). No caso de Ezequias, não foi diferente. Ele adoeceu mortalmente e o profeta Isaias o avisou que sua enfermidade era fatal. Assim como a mulher do fluxo de sangue buscou um milagre em Jesus, ele também buscou em Deus, e ainda ousou rezar seu rosário de boas obras dizendo: “Lembra-te, Senhor, peço-te, de que andei diante de ti com fidelidade, com inteireza de coração, e fiz o que era reto aos teus olhos; e chorou muitíssimo”. Aprouve então a Deus acrescentar a ele mais quinze anos de vida. (2 Reis 20: 1-7).
Apesar de o escritor Osborn ensinar que não são aos médicos a quem devemos recorrer, porque, como sabemos, eles nos prescrevem remédios, encontramos que Deus receitou para o rei Ezequias um tratamento com produto natural: Tome-se uma pasta de figos e ponha-se como emplasto sobre a úlcera; e ele recuperará a saúde.” (2 Reis 20.7). Em nenhuma parte da história foi atribuída ao diabo a enfermidade de Ezequias.
O apóstolo Paulo diz: E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: “Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1 Coríntios 15.54-55).
Enquanto estivermos neste mundo poluído, cheio de agrotóxico, violência, muito trabalho e tantas mazelas, nosso corpo estará fadado a contrair as mesmas enfermidades que qualquer mortal. Como diz Salomão: Tudo sucede igualmente a todos:
“O mesmo sucede ao justo e ao perverso; ao bom, ao puro e ao impuro;” (Eclesiastes 9. 2).
Aqui o escritor parece menos radical:
“Se a enfermidade fosse a vontade de Deus, então cada médico seria um transgressor da lei, cada enfermeira profissional seria uma desafiadora do Todo-Poderoso, e cada hospital seria uma casa de rebelião em vez de ser uma casa de misericórdia!”

Dou graças a Deus pelos médicos e enfermeiras que por vezes atenderam a mim e a tantos outros amigos com amor e dedicação.
O apóstolo Paulo conta para os gálatas que pregou o evangelho a eles, pela primeira vez, por causa de uma enfermidade física. A doença parecia asquerosa, uma vez que ele diz:Minha enfermidade na carne foi uma tentação, contudo não me revelaste desprezo nem desgosto; antes me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus.” (Gálatas 4. 13,14).
Apesar de haver exercido o dom de cura e até ressuscitado morto, Paulo receitou a Timóteo um pouco de vinho, por causa do seu estômago e das suas freqüentes enfermidades. (1 Timóteo 5.23). Por que será que Deus não curou Timóteo? Segundo consta na Bíblia, era um moço irrepreensível...
Cita Osborn:
Em 1 Coríntios 6. 20. Paulo diz: Fostes comprados por bom preço, glorificai, pois, Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.
No versículo citado acima, o apóstolo Paulo estava aconselhando contra a prostituição, a impureza, lembrando que nosso corpo é o templo do Espírito Santo e que, portanto, devemos mantê-lo puro.
Osborn apela:
“Não glorificamos Deus em nosso espírito permanecendo em pecado, tampouco O glorificamos em nosso corpo permanecendo doentes.”
SANTOS ENFERMOS:
Por que será, então, que o grande profeta Elizeu permaneceu doente até a morte? É interessante como cita o escritor: “Estando Elizeu padecendo da enfermidade de que havia de morrer, Jeóas, rei de Israel, desceu a visitá-lo, chorou sobre ele e disse: Meu Pai, meu pai! Carros de Israel e seus cavaleiros!” (2 Reis 13.14). O mais incrível é o que sucedeu depois de Elizeu já descarnado pelos vermes, quando já era apenas uma “caveira”, segundo conta o historiador: “Enquanto alguns enterravam um homem, eis que viram um bando; então, lançaram o homem na sepultura de Elizeu; e, logo que o cadáver tocou os ossos de Elizeu, reviveu o homem e se levantou sobre os seus pés.” (2 Reis 13.21). Um santo assim, morrer enfermo? O que alegaria o Osborn?
Osborn diz: João 11.4 é usado para provar que a enfermidade glorifica Deus; mas Ele não foi glorificado enquanto Lázaro não foi ressuscitado da morte. O resultado, então, foi: Muitos dos judeus [...] creram nele (v. 45).
O escritor Osborn esquece que se Lázaro não houvesse ficado doente e morrido, Deus não teria sido glorificado tão grandiosamente.
Osborn pergunta e afirma:
Se a cura não é para todos, por que Jesus levou nossas doenças, dores e enfermidades? Se Deus queria que alguns de Seus filhos sofressem, Jesus nos livrou de levar algo que Deus queria que levássemos. Mas, uma vez que Jesus veio fazer a vontade do Pai e levou nossas enfermidades, deve ser a vontade de Deus que todos nós sejamos saudáveis.
Creio piamente nisto, que a vontade de Deus é que todos fossemos saudáveis. No entanto, apesar de Jesus haver carregado também os nossos pecados, nós insistimos em pecar e sofremos a conseqüência dos nossos próprios atos: “É bom e aceitável diante de Deus, nosso salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” (1 Timóteo 1. 3-4)
Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmo nos enganamos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. (1João 1.8-9).
Osborn diz:
Em números 21.8, Deus sarou aqueles que foram picados pelas serpentes ardentes quando olhavam para uma serpente de bronze pendurada em uma estaca – uma tipificação do Calvário (Jo 3.14,15). Se todo aquele que olhava para a serpente de bronze era curado, é lógico que todo aquele que olha para Jesus pode ser curado hoje.
Jesus disse: Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim [com o mesmo propósito] importa que o Filho do Homem seja levantado (Jo. 3.140. Leia números 21.4-9.
Naquela ocasião, as pessoas haviam pecado contra Deus. A humanidade peca contra o senhor hoje.
Sim o povo de Israel havia murmurado contra Moisés e contra Deus, contra o alimento e a falta d’água. Um povo que tinha conhecimento de Deus e estava sendo tratado de uma maneira muito especial por Ele; que havia contemplado sinais e maravilhas extraordinárias, foi ferido em conseqüência da sua rebeldia, segundo eles mesmos reconheceram. (Números 21.7). No entanto, quando João aponta para o Filho do homem sendo levantado do mesmo modo como foi a serpente no deserto, para que todo o que nEle crê tenha a vida eterna (João 3.14-15), ele está se referindo explicitamente à remissão de pecadores que nunca tiveram seus pecados perdoados.
Ou seria certo entender que toda enfermidade resulta de pecado do homem, o que contrariaria o que diz Tiago: “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, SE (prestemos atenção à partícula SE), houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.” (Tiago 5.14-15)?
Osborn interpreta:
Paulo diz que Deus nos tem preparado para toda boa obra (2Tm 2.21b), perfeitamente instruído para toda boa obra (2 Tm 3.17b), para que abundemos em toda boa obra (2 Co 9.8). Uma pessoa doente não está à altura dessas instruções bíblicas. Tais condições seriam impossíveis, se a cura não fosse para todos. Ou a cura não é para todos, ou esses versículos não se aplicam a todos.
Eu creio que o escrito entendeu que Paulo falava de diversidade de obra e daquele tipo versátil e ativista, que não encontra tempo para ficar nem consigo mesmo, muito menos a sós com Deus.
Conheci um ex-travesti que contraiu AIDS e foi internado em um grande hospital em São Paulo. Após o diagnóstico do médico de que seu caso era fatal, ele não se deixou abater, antes, levava consolo através da palavra de Deus e da sua alegria para todos quantos estavam no mesmo vale de sombra de morte que ele, a ponto de chegar ao conhecimento do diretor do hospital, que fez questão de conhecer quem era aquele paciente que estava levando tanto refrigério para os que esperavam apenas o dia da sua morte. E assim morreu o nosso amigo Antônio, fazendo uma grande e boa obra a favor das vítimas da AIDS.
Poderemos encontrar em todos os lugares, pessoas que, apesar das suas muitas enfermidades como as que tinha nosso querido Timóteo, estão habilitadas para toda boa obra. Sabemos que até mesmo mutilados de braços e pernas, muitos estão prestando serviços admiráveis a comunidades com mais desempenho que muitos perfeitos e robustos.
Osborn diz:
As escrituras são citadas: Muitas são as aflições do justo (Sl 34.19), mas isso não quer dizer doença como alguns querem que acreditemos. Esse texto trata de tribulações, provações, perseguições, tentações etc., mas nunca de doenças ou enfermidades físicas.
Seria uma contradição dizer: “Cristo levou nossas enfermidades e com Suas pisaduras fomos sarados”, mas depois acrescentar: “Muitas são as enfermidades do justo, as quais Deus deseja que ele suporte”.
Bem, o salmo citado não especifica quais são as tribulações dos justos, antes generaliza: “Muitas”. No caso, também teríamos que negar que nós ainda pecamos tanto, porque Jesus levou nossos pecados, mas nossas transgressões são tão claras como a luz do dia. Em nossas comunidades evangélicas, mesmo entre os que professam o novo nascimento e na verdade nasceram de novo, mas ainda estão sendo terminados, existem mentiras, invejas, maledicências, ciúmes, intrigas, luta por poder, cobiça e tantas outras mazelas que muitos de nós estão longe de se parecer com Jesus. Ai de nós se as misericórdias do Senhor não se renovassem sobre nós a cada manhã (Lamentações 3.22-23). Quanto às enfermidades, já falamos acima, no parágrafo: CAUSAS DE DOENÇAS.
Osborn diz:
Outra tradição: Deus castiga Seus filhos com doenças. Citam-se os versículos de Hebreus 12.6-8: O Senhor corrige o que ama [...]. É verdade. Deus corrige aqueles que ama, mas não diz que Ele os faz adoecer. O verbo corrigir, nesse caso, significa instruir, treinar, disciplinar, ensinar ou educar, assim como um professor instrui seu aluno, ou como um pai treina seu filho e ensina-lhe algo.
Aqui o Osborn faz um grande esforço para provar que Deus não castiga com doenças. Não obstante, no início do seu livrete ele diz: “Naquela ocasião [em que foram picadas por serpentes abrasadoras (grifo meu)] as pessoas haviam pecado contra Deus. A humanidade peca contra o Senhor hoje.”
A picada da serpente venenosa resultou em morte naquela ocasião. O salário do pecado é a morte hoje (Rm 6.23).
Não entendi o porquê do hoje, se no passado resultou também em morte...
Ele prossegue:
O povo clamou a Deus, Ele ouviu seu clamor e proveu um remédio – a serpente levantada. Aqueles que clamam a Deus hoje descobrem que o Senhor tem ouvido seu clamor e tem-lhes provido um remédio – Cristo levantado.
Ele deixou claro que as serpentes venenosas morderam o povo como conseqüência dos seus pecados, para já nas últimas páginas negar que Deus castiga com enfermidades, negando assim, não só as suas próprias palavras, como também a Bíblia. Vejamos:
“Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha. Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, como do pão, e beba do cálice; pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. Eis a razão porque há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem. Porque se nós julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando julgados, somos DISCIPLINADOS PELO SENHOR, para não sermos condenados com o mundo. (1 Coríntios 11.26-32)
Na carta ao anjo da igreja em Tiatira, referindo-se a Jezabel, instrutora de pecado, o profeta transmite a seguinte profecia: “Dei-lhe tempo para que se arrependesse; ela, todavia não quer arrepender-se da sua prostituição. Eis que a prostro de cama, bem como em grande tribulação os que com ela adulteram, caso não se arrependam das obras que ela incita. Matarei os seus filhos, e todas as igrejas conhecerão que Eu sou aquele que sonda mentes e corações, e vos darei a cada um segundo as vossas obras.” (Apocalipse 2. 21-23).
Concluímos que existem enfermidades consequentes das nossas transgressões, enfermidades provocadas por nossas negligências aos limites do nosso organismo, enfermidades contraídas naturalmente neste mundo tão poluído e enfermidades comuns, a natural degeneração do nosso corpo mortal.
No entanto, temos uma maravilhosa promessa e estou certa que, como eu, muitos já provaram da veracidade dela:
“O senhor assiste no leito da enfermidade; na doença, Tu lhe afofas a cama. (Salmo 41.3).
O mundo precisa ver como se porta no leito da enfermidade uma pessoa que confia em Deus. Ainda que esta pessoa esteja com um câncer da pior espécie, AIDS, lepra ou toda quebrada após um acidente catastrófico, será a oportunidade exata de provar realmente aquilo que ele prega: Confiança! Não é assim que muitos de nós cantamos:
“Eu te louvo de coração, eu te louvo com minha voz
E se me faltar minha voz, eu te louvo com minhas mãos,
E se me faltar minhas mãos, eu te louvo com meus pés
E se me faltar meus pés, eu te louvo com minha’alma
E se me faltar minha’alma é que já me fui com Ele?

Osborn diz:

Para chegarmos à plenitude de nossa idade e para que Deus tire o nosso fôlego, não é necessário a ajuda de um câncer ou de qualquer outra doença. A vontade de Deus para a morte de Seus filhos é que, depois de terem vivido uma vida frutífera e cumprido o número de seus dias, simplesmente parem de respirar e durmam em cristo, para acordarem do outro lado e viverem com Ele para sempre. Assim estaremos sempre com o Senhor. (1 Ts. 4.17c). De fato, essa é a bendita esperança dos justos.
Mirabolante nosso escritor. O que pensaria ele daqueles cristãos que foram decapitados, queimados em fogueiras clericais, servido de alimento para animais ferozes entre as gargalhadas, palmas e assovios dos reis e povos perversos e intolerantes? Que diria dos nossos patriarcas que ficaram cegos na velhice?
Salomão disse: Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer...
... E o pó volte a terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu. (Eclesiastes 12. 1,7).
Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há perverso que prolonga os seus dias na sua perversidade. (Eclesiastes 6.15)
Céu? Só após a morte, se nos assemelharmos realmente ao Filho do Deus Eterno, nesta vida.



Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

9 comentários:

Eduardo Medeiros disse...

OI Guiomar, tudo bem?

Concordo com a sua tese principal apesar de discordar de alguns pontos teológicos.

Ter saúde está muito além de se ser cristão fiel ou não, apesar que eu ache que o pensamento positivo(ou fé) possa de fato contribuir para que o corpo tenha mais saúde. OU seja, nossos pensamentos realmente têm poder. OU poderíamos dizer a fé. Mas isso não tem nada a ver com ser cristão e não garante que se vai viver 100 anos e de repente, simplesmente parar de respirar, sem dor ou sofrimento.


Um abraço

Guiomar Barba disse...

Oi Edu, é bom ter você aqui.
Gostaria que você colocasse quais são os pontos que você discorda deles.

Estou plenamente de acordo que não tem nada haver com ser cristão. Tem muita gente que sequer crer em Deus e tem uma saúde invejável.

Beijos.

Eduardo Medeiros disse...

Tem certeza do que me pedes???? rssssssss

Guiomar Barba disse...

Edu, tenho certeza absurda kkkkkkkk

Mande ver.

Eduardo Medeiros disse...

Gui, minha discordância é sobre o tal de Lúcifer, que aliás nunca foi um nome próprio mas significava uma estrela (planeta vênus) cujo brilho pode-se ver da terra. A mesma "estrela da manhã" que poeticamente é dito de Jesus.

O conceito de que Deus cria o bem e o mal é de uma determinada época na história religiosa de Israel. Uma época em que não havia diabo, nem o lado negro, nem o dualismo, nem guerra no céu. Tudo vinha de Deus, luz e trevas. Depois por influência principalmente persa, o princípio do mal ganhou vida própria. No judaísmo antigo nunca h ouve uma figura como o "diabo cristão". o Satã, o adversário, uma criatura feita por Deus mas que tinha a função de observador e de questonador dos atos humanos(como podemos ver na histório de Jó) é a versão judaica antiga para o diabo posterior. Depois a crença em espíritos imundos, demônios, que ninguém sabia muito de onde viam e que influenciavam as atitudes dos homens acabando de vez com o monismo de Isaías e o dualismo bem x mal, Deus x Diabo se estabeleceu. O cristianismo, principalmente em sua versão medieval, pintou um diabo realmente a altura do seu adversário - Deus - na luta pelas almas humanas. Sombrio, encarnação de todo mal do universo, um anjo caído e irrecuperável que trava uma luta milenar para atrapalhar os planos de Deus.

Não acredito em nada disso literalmente falando, mas apenas como símbolos dos nossos próprios dilemas e processos existências onde a toda hora temos que escolher fazer o bem ou fazer o mal.

Gosto mais do monismo de Isaías onde tudo vem da mesma fonte, bem e mal.

Acreditar que houve uma guerra no céu e que Deus teve que deter uma rebelião em suas hostes é mitológico demais e encontra semelhanças em vários outros mitos religiosos.

é mais ou menos isso. Beijos

Guiomar Barba disse...

Bem Edu, para mim é uma questão de escolha. Você prefere acreditar na história secular, pesquisada e escrita também por homens, mas sem cunho espiritual. Eu acredito na Bíblia, embora tenha muitos questionamentos, como os tenho também em história secular. No entanto, quanto ao diabo, eu não tenho nenhuma dúvida de que assim como existe Deus, ele também existe.
Os demônios que foram expulsos dos céus junto com ele, são exatamente os espíritos malignos que fazem maldades com as pessoas ou através delas, que ciência nenhuma jamais pode explicar ou negar.
Eu não posso jamais negar a existência deles por todas as experiências que já vivenciei. Ser humano nenhum teria condições de fazer o que uma pessoa faz quando dominado por um demônio.
Não adianta que alguém diga que tal pessoa esta pondo para fora o que gostaria... Seja qual for a justificativa que dêem às possessões, somente quem nunca viu realmente possessos é que não consegue acreditar.

Eu já ouvi até mesmo no jornal da globo, um apelo de um psiquiatra para não se internar seus "loucos", sugerindo que pudesse ser algo sobrenatural.

Lembrando: você me deve a matéria sobre a "pomba" ok? Gostaria de publicá-la aqui.

Gosto da sua inteligência e te amo muito. Abraço.

Eduardo Medeiros disse...

Gui, já vi muitos "endemoniados" em minha vida de assembleiano. Mas sinceramente, hoje não consigo acreditar em seres reais espirituais que invadem mentes e desejos de pessoas exatamente pela sua origem: expulsos do céu em uma rebelião? Não consigo mais acreditar na literalidade disso. Creio que estados alterados de consciência devido a vários fatores, inclusive religiosos (muitos dos "endemoniados" são originários de religiões afro-brasileiras cuja "posessão" é algo comum em seus cultos). Mas até posso concordar que alguns casos são bem impresionantes. Mas todos os "demônios" se existe, existem mesmo dentro de cada um de nós sob formas de pulsões, desejos reprimidos, potencialidades para o mal, etc. Mas enfim, sua compreensão é espiritual e a minha, psicológica. Quem sabe ambas estão certas? Mas por favor, arrumem uma outra origem para os demônios pois expulsos do céu não entra em minha cabecinha.

Pomba, pomba...acho que esqueci do que se trata...rss desculpe, amiga, me lembra, por favor.

abraços

Guiomar Barba disse...

Edu, você já viu uma pessoa flutuar? Você já viu uma pessoa subir uma parede lisa qui nem o homem aranha? Você já viu uma criança de dois anos subir na parede da casa e sentar lá em cima do muro? Você já viu uma pessoa que nunca viu a outra, dizer o que ela falou para uma outra pessoa em uma cidade totalmente diferente?
E muito mais Edu...

Bom quanto a origem dos demônios, não vejo problema nela, segundo diz a bíblia.
Bjs.

Anônimo disse...

minha maê maul

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML