domingo, 19 de fevereiro de 2012



QUANDO CONFIAMOS EM DEUS
“Não sabemos o que fazer, mas os nossos olhos estão postos em Ti.”
                          (2ª Crônicas 20.12)
Após ser informado da gigantesca guerra que estava posta contra ele e o seu reino, Josafá foi profundamente sacudido em suas emoções. Ele tinha plena consciência de que não teria forças suficientes para enfrentar tão numeroso exército e que inevitavelmente seriam exterminados. No entanto, ele não se deixou manipular por suas emoções, o que teria acarretado para ele e todo o seu reino um mal irreparável.

Todavia, ele cria que sua impotência não significava derrota, porque ele conhecia o Deus a quem ele devotava confiança. Portanto, voltou-se para Ele com humildade e jejum junto com todo o seu reino. Mencionou diante de Deus que reconhecia a Sua soberania e seus feitos, e que conhecia a aliança que Ele havia feito com Salomão quanto ao atendimento às orações feitas no templo que ele levantou sob as suas ordens. Lembrou também a Deus, da sua aliança com Abraão, a quem Ele prometeu que a descendência herdaria a terra de Canaã, consequentemente, eles não poderiam ser exterminados. Reclamou a Deus que eles estavam sendo injustiçados; porque os que lhes faziam guerra eram exatamente os povos a favor de quem eles praticaram o bem quando vinham do Egito.

Diante da magnitude do problema, Deus faz uma promessa de livramento através do profeta Jaaziel. Josafá e todo o povo não duvidaram de que Deus havia falado através do seu servo profeta; antes, adoraram a Deus com louvores. Aquela atitude de fé, comprovada com obras de louvores, provocou uma imediata ação de Deus a favor do seu povo. Ele destruiu o plano dos inimigos, fazendo cair sobre eles próprios as suas intenções maldosas.

Maravilhados, eles se entregaram ao desfrute da vitória e com os corações cheios de gratidão entraram no templo para dar a Deus a devida glória.

Nesta bela história registro algumas atitudes de Josafá que me falam profundamente ao coração: apesar de dominado por intenso pavor, ele não permitiu que as suas emoções negativas o manipulassem. Pensadamente tomou a decisão de buscar socorro em quem ele depositava a sua confiança.

“Um homem impulsivo é fácil de enraivecer e ser levado ao seu fim. Quem facilmente se enfurece é irascível, obstinado e apressado. Não pondera as dificuldades." (Do livro “A Arte da Guerra de Sun Tzu).

“Quem teme o homem cai em armadilhas, mas quem confia no Senhor está seguro.” (Provérbios 29.25).

Ele dependia de Deus. E este depender o levou a não confiar em suas próprias estratégias para enfrentar tamanha guerra. Nem tampouco buscou ajuda em outros reinos, como faziam vários reis. “Alguns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós confiamos no nome do Senhor, o nosso Deus.” (Salmo 20.7).

“O príncipe deve manter a estima do povo, o que não lhe será difícil, pois a única coisa que o povo pede é não ser oprimido [...] ou não encontrará seu apoio na adversidade.” (O Príncipe de Maquiavel).

“Todos os homens de Judá com suas mulheres e seus filhos, até os de colo, estavam ali em pé, diante do Senhor.” (2 Crônicas 20.13).

Ele sabia ser ele o próprio povo. Por esta razão, convocou a todos, por sendo um com ele, a se humilharem em jejum e oração diante do grande Soberano. No entanto, não esquecendo de que Deus vela pelas suas promessas para cumpri-las, trouxe à memória a oração de Salomão, de que Ele atentaria para as orações feitas naquele templo em momentos de adversidades.

Josafá soube discernir que Deus realmente falara através do seu servo, o profeta Jaaziel, apesar da mirabolante profecia. Portanto, numa fé como um grão de mostarda, ele se entregou junto ao povo em adoração e gratidão por uma vitória ainda não vivenciada.

“O Senhor é a minha força e o meu cântico; Ele é a minha salvação.”
                    Salmo (118.14).






Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

8 comentários:

Mariani Lima disse...

A gente quer ter fé igual de Jesus e sair andando sobre o mar, mas o máximo que temos conseguido e andar umas vezes e afundar outras tantas rsrs... Pelo menos é o que acontece comigo.

Bjs...Fica com Deus

Anônimo disse...

confiemos sempre , Éle é fiel , parabéns pela postagem, O Senhor continue te ungindo.

David

Guiomar Barba disse...

Assim é Mari, nossa fé é muito frágil. Eu admiro muito estes homens e mulheres que são ousados na fé. Embora eu creio que eles também muitas vezes afundaram.

Beijo amiga.

Guiomar Barba disse...

Pois marido, temos prova disto né? Mas somos tão tímidos na nossa fé.

Beijo.

Eduardo Medeiros disse...

Essa narrativa lendária do livramento de JOsafá pelo louvor pode nos ensinar de fato, muita coisa.

A mim ensina que muitas vezes não vale a pena "ir à guerra" contra um "inimigo" superior a você. Sentar, respirar, cantar, relaxar, pode fazer com que a resolução para o problema venha mais fácil.

beijos

Guiomar Barba disse...

Grande Edu! Ter sensatez é preciso.

Beijo.

Donizete disse...

Oi Gui,

Nada melhor, depois de cinco dias de total abstinência de leitura, se deparar com um texto tão precioso como este seu!

Abraços Pastora!

Guiomar Barba disse...

Doni, a bíblia sempre nos trás conforto e esperança, portanto ela estará sempre ao meu alcance.

Abração.

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML