quarta-feira, 19 de novembro de 2014

AMOR



Creio que esta reflexão se ajusta para todo tipo de relacionamento. (Guiomar Barba).

 "AS CRÍTICAS E QUEIXAS DEVERIAM SER ENTREGUES EM CAIXINHAS DE VELUDO."

Entre um casal, nem tudo são maravilhas e as diferenças devem ser expressadas, mas com respeito, nunca no meio de uma discussão. Na hora da briga, emerge nosso lado mais primitivo e acabamos dizendo o que não devemos, ou pelo menos de um jeito que não devemos. Faz melhor quem espera a poeira baixar para falar amorosamente com seu amor sobre o que está incomodando na união.

No calor da discussão, a pretexto de dizer "poucas e boas", veredictos são emitidos, julgamentos são feitos, sentenças são atribuídas. Que hora mais infeliz para se dizer qualquer coisa: o emissor da mensagem não consegue se fazer ouvir e, consequentemente, respeitar, e o receptor perde a chance de ser nutrido com algo que, se dito em momento mais oportuno, poderia ser precioso. Nesse embate, só há perdedores.

Bate-bocas ativam nas pessoas o que nelas há de mais irracional, trazendo para o primeiro plano a impulsividade, a impetuosidade, a falta de filtro. Quem não viveu ou testemunhou situação deste tipo? Os interlocutores dizem coisas acreditando que o "sujeito" de suas falas seja sua personalidade consciente. Engano. Em situações passionais, a consciência é engolida pelo inconsciente, isto é, pelo elemento primitivo, associado ao plano dos instintos, que, em condições normais de temperatura e pressão, mantém-se silencioso, embora não morto. As pessoas imaginam ter domínio sobre a situação, mas são meros ventríloquos de parcelas poderosas de seu inconsciente. Uma vez desencadeado, é praticamente impossível brecar fluxo desenfreado das emoções. Os atacantes proferem "verdades", no estilo "E digo mesmo! E você isto e aquilo outro. E tem mais isto! E fique sabendo que você..., porque você nunca... e você sempre... E sua mãe, então...", desenrolando um carretel de impropérios e desqualificações de toda ordem.

Se o interlocutor morde a isca e embarca na mesma viagem (na mesma "maionese", talves se possa dizer), é o que basta para que, em lugar de um diálogo, se instale um
embate titânico entre forças jurássicas. 
O elemento humano, em situações como essa, já escorreu pelo ralo.

Quanto desperdício de energia psíquica! 

A incidência de episódios assim, passionais na vida de um casal costuma indicar que poeiras foram varridas para debaixo do tapete; quinquilharias foram ocultadas no porão; mágoas foram negadas; dores, sonegadas; amores, não amados como deveriam ser. É só mexer no vespeiro para que todo esse entulho apareça, em geral com consequências desastrosas.

Quem ama não sonega. Nem do outro, nem de sua própria consciência. Dores e desagrados são elementos integrantes da experiência amorosa. No entanto, incluí-los e comunicá-los apenas no momento do desespero e da ira é a mesma coisa que entregar um bebê aos cuidados de uma hiena. O bebê pode se desenvolver, mas de modo catastrófico. 

Críticas, queixas, assinalamentos, protestos, tudo isso requer tratamento requintado. São jóias. Precisam ser revelados em caixinhas de veludo. São expressões de faceta difícil, mas legítima, do amor. Não antagonizam com o amor. Servem para torná-lo mais forte, mais maduro. Por isso mesmo, para serem reveladas, requerem a mais amorosa das atitudes. Isso não significa que devam ser dissimuladas ou distorcidas. Devem -- isto sim -- ser veiculadas com clareza, com comedimento e sem presunção (sem que a elas se imprima o caráter de "verdades") e com profundo respeito pelo outro. Se são coisas amorosas -- e, em princípio, são --, devem ser entregues como presentes. O outro se sentirá visto com olhos límpidos e profundamente considerado, o que nele promoverá acolhimento e gratidão.



Por Alberto Lima, psicoterapeuta de orientação junguiana, é professor-doutor em Psicologia Clínica e autor de O Pai e a Psique (Editora Paulus) e de Alma: Gênero e Grau (Editora Devir).



Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

Um comentário:

Thiala Marques disse...

Caramba!! Muitooo Bomm! Abriu minha mente para o assunto! Benção!

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML