quinta-feira, 2 de julho de 2015

                 CONTRASTE

Chove abundantemente
No meu Capibaribe
Os lampiões escurecem as noites
Vago pelo silêncio das ruas
Escutando o gemido da fome
São corpos sob as marquises
Apertando os joelhos no estômago.

No luxo dos condomínios
Lá do outro lado da Veneza
Deitados em berços esplendidos
Sob colchas quentes de inverno
Ao som do mar
À luz de mesas fartas e certas
Sonham campos cheios de flores.
                                                     
A esperança das calçadas se escorrega
Pelas enxurradas que vão a paraísos
São as águas da cobiça, fechando o verão.
Brasil de amor eterno...
Entre as pedras dos condados
Rochas submersas no lodo político
Apagam as chamas que bruxuleavam.

                                      Por Guiomar Barba





Subscribe to Our Blog Updates!




Share this article!

2 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Às vezes não dá para acreditar que em pleno século XXI ainda haja fome numa capital brasileira.

Guiomar Barba disse...

Verdade Rodrigão, mas os lixões, nos comprovam esta triste realidade.
Obrigada pela preciosa visita. Abraço.

Retornar para o topo da Página
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML